Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Bastidor: Prisão de deputado vira primeiro teste de fogo para Arthur Lira

Com o deputado preso, as opções da Câmara não são nem um pouco confortáveis para tratar o problema

Marcelo de Moraes, O Estado de S.Paulo

17 de fevereiro de 2021 | 01h15

Eleito presidente da Câmara há pouco mais de duas semanas, Arthur Lira (PP-AL) já vai enfrentar seu primeiro teste de fogo à frente do cargo. Ele precisará decidir - e rápido - como vai lidar com a prisão do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), ordenada por Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, depois que o parlamentar gravou um vídeo com ataques e ameaças aos ministros da Corte. A tendência é que ele coloque nas mãos do plenário da Câmara a decisão sobre o que fazer com Silveira.

Com o deputado preso, as opções da Câmara não são nem um pouco confortáveis para tratar o problema. A primeira delas: a Casa aceita a prisão de Silveira pelos ataques inaceitáveis ao Supremo e envia o caso para o Conselho de Ética discutir a cassação do seu mandato. 

A segunda: a Câmara não aceita a decisão de prisão, alegando que o deputado tem imunidade parlamentar para manifestar sua opinião, mesmo que fale apenas absurdas. 

Qualquer escolha provocará gritaria e reclamações. Por isso, dividir a decisão com o plenário deve ser a saída para Lira, evitando chamar para si a responsabilidade para cuidar desse abacaxi político.

Em postagens nas redes sociais já de madrugada, Lira indicou que deverá consultar o plenário da Casa. E defendeu “serenidade” no tratamento da história.

“Como sempre disse e acredito, a Câmara não deve refletir a vontade ou a posição de um indivíduo, mas do coletivo de seus colegiados, de suas instâncias e de sua vontade soberana, o Plenário”, escreveu.

“Nesta hora de grande apreensão, quero tranquilizar a todos e reiterar que irei conduzir o atual episódio com serenidade e consciência de minhas responsabilidades para com a Instituição e a Democracia”, acrescentou.

“Para isso, irei me guiar pela única bússola legítima no regime democrático, a Constituição. E pelo único meio civilizado de exercício da Democracia, o diálogo e o respeito à opinião majoritária da Instituição que represento”, afirmou Lira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.