Prisão de Arruda daria andamento ao impeachment, diz petista

Para Cabo Patrício, 'o Judiciário tem feito o seu papel e a Câmara não. Espero que deputados se sensibilizem'

estadao.com.br,

11 Fevereiro 2010 | 17h14

O deputado distrital, Cabo Patrício (PT), disse na tarde desta quinta-feira, 11, que a prisão do governador José Roberto Arruda (sem partido) significará o andamento das investigações sobre o suposto esquema de corrupção no governo local, que seria chefiado pelo governador. Segundo o parlamentar, as investigações estão paradas porque Arruda tem se articulado para impedi-las.

 

Veja também:

especialEntenda as acusações contra o governador do Distrito Federal

blog  JOÃO BOSCO: acompanhe o caso, veja vídeos, a oração da propina e mais

lista Leia tudo o que foi publicado sobre o mensalão no DF

documento Leia o inquérito da Operação Caixa de Pandora

video Testemunha do mensalão do DEM gravou tentativa de suborno

 

O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Fernando Gonçalves, relator do inquérito da Operação Caixa de Pandora, decretou a prisão do governador pela tentativa de suborno do jornalista Edson Sombra, testemunha do caso. O ministro acatou o pedido da subprocuradora da República, Raquel Dodge. A Corte Especial do STJ está reunida para decidir se acata ou rejeita a decisão de Gonçalves.

 

"O Judiciário tem feito o seu papel. A Câmara Legislativa não. Espero que os parlamentares se sensibilizem e façam o impeachment do governador", afirmou Patrício. Estão parados na Casa três pedidos de impeachment do governador.

 

O deputado Paulo Roriz (DEM), que deixou nos últimos dias a Secretaria de Habitação do governo Arruda para retornar à Câmara, não quis comentar a prisão preventiva do governador, alegando não saber quais são os motivos do pedido.

 

Com informações da Agência Brasil

Mais conteúdo sobre:
PTDFArrudaimpeachmentCPI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.