Prioridade é atrair investidor para plano de infraestrutura

Divulgação do programa de concessões é uma das frentes adotadas pela comitiva na passagem de Dilma pelos EUA

Rafael Moura e Cleide Silva , O Estado de S. Paulo

27 de junho de 2015 | 22h17

BRASILÍA - A presidente Dilma Rousseff começa neste domingo nos Estados Unidos a cumprir uma agenda de caixeiro-viajante, feita para atrair investidores estrangeiros para o programa de infraestrutura anunciado neste mês. As concessões em rodovias, ferrovias, aeroportos e portos são o carro-chefe da viagem oficial, na qual Dilma está acompanhada de um quarto da equipe ministerial.

A viagem terá três frentes: divulgar o programa em infraestrutura; retomar o diálogo com a Casa Branca; e aprofundar o intercâmbio na área de ciência, tecnologia e inovação. Em Nova York e Washington, Dilma participará de eventos com dirigentes de fundos de investimentos, bancos e empresas americanas com investimentos no Brasil. Em São Francisco, encontrará executivos do setor de tecnologia da informação, comunicação, aeroespacial, biotecnologia e biomedicina. 

Dilma e o presidente dos EUA, Barack Obama, devem assinar na terça-feira cerca de 15 acordos de cooperação em áreas como previdência, meio ambiente, educação e agricultura. Entre eles está um acordo que prevê a exportação de carne bovina in natura brasileira ao mercado americano.

Acordos. O presidente da Coteminas, Josué Gomes da Silva, que participa da comitiva de empresários que acompanhará Dilma, diz que o ideal seria que os dois países chegassem a um acordo de livre comércio, mas ele entende que se trata de uma medida de longo prazo. Para ele, há passos que já podem ser dados, como acordo para evitar a dupla tributação (ADTs) e harmonização de normas técnicas.

Para Marco Stefanini, presidente da empresa de tecnologia Stefanini Solutions e integrante da comitiva, a visita “é uma evidência concreta” de que o governo começa a atuar mais fortemente na busca de acordos comerciais com os principais mercados. “A visita nos dá garantias de que nosso compromisso de ajudar no crescimento da indústria aeroespacial e de defesa no Brasil trará benefícios mútuos”, diz Robert Sturgell, vice-presidente sênior das operações americanas da Rockwell Collins, multinacional com filial em São José dos Campos (SP).

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma RousseffEstados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.