Príncipe Charles visitará o Rio de Janeiro

O príncipe Charles de Windsor, herdeiro do trono da Grã-Bretanha, gosta de frutas tropicais e as terá em suas refeições, exceto kiwi, que ele detesta. Gosta também de vegetais cozidos no vapor, mas não muito, e pediu que sua suíte tenha orquídeas, lençóis de algodão puro e vista para o mar de Copacabana, uma das lembranças que guardou das outras visitas, em 1978 e 1991. Estas são algumas das recomendações feitas pelo Palácio de Buckinghan ao Copacabana Palace, onde Charles passará a noite de segunda para terça-feira.Charles chega ao Brasil na segunda-feira de manhã, encontra-se com o presidente Fernando Henrique Cardoso no Palácio do Itamaraty e visita a exposição Britânicos no Brasil. Depois vem para Rio, para conhecer o centro de defesa ambiental Alpina Briggs Marina, na Refinaria Duque de Caxias. De lá, segue para o morro do Pavão-Pavãozinho, onde a secretária de Ação Social e primeira-dama, Rosinha Matheus, mostrará projetos sociais apoiados pela Grã-Bretanha. Ele chega às 17h50 e ele fica cerca de uma hora no morro.De noite, oferece uma recepção ao governador Anthony Garotinho, empresários e representantes da comunidade britânica, mas a festa acaba cedo - na terça-feira de manhã ele vai a São João do Meriti, cidade da Baixada Fluminense, onde a Actionaid, organização não-governamental britânica, financia a Casa da Cultura, projeto que atende a 2 mil crianças e adolescentes carentes. De tarde, o príncipe Charles viaja para o Estado de Tocantins, onde visitará a capital, Palmas, e a Ilha do Bananal.Poucas exigênciasO cerimonial do Palácio de Buckingham fez poucas recomendações aos anfitriões do príncipe. Um número não divulgado de agentes da Polícia Federal cuida de sua segurança e, nos deslocamentos, ele será precedido por batedores da Polícia Militar. Sua comitiva vai ocupar entre dez e 15 suites do Copacabana Palace (o número exato não pode ser divulgado) e três pessoas vêm só para atendê-lo: seu mordomo, que cuida das refeições, o ?valet de chambre?, responsável por suas roupas, e um secretário. O cardápio de seu jantar no Rio será decidido hoje, mas o café da manhã da terça-feira será inglês: ovos mexidos, bacon, torradas e chá. Em São João do Meriti, o príncipe terá seu maior contato com os brasileiros. Será entrevistado por Veronice Ramos, de 12 anos, e Vítor Abreu, de 8 anos, para a rádio comunitária da Casa da Cultura, e o único assunto a ser evitado é política, já que ele não fala sobre o assunto nem na Inglaterra. Charles verá também exibições de capoeira e receberá um presente das crianças, provavelmente um desenho ou um boneco feito por elas. A visita vai terminar com uma exibição de 50 adolescentes, passistas da Escola de Samba Independente da Praça da Bandeira, que tem sede na Casa de Cultura. Em 1978, ele visitou a Beija-Flor de Nilópolis e mostrou samba no pé quando a passista Pinah, principal destaque da agremiação, o tirou para dançar. "Desta vez não tem nada armado para fazê-lo dançar de novo, mas também não foi pedido que se evite isso", diz a gerente de parcerias da Actionaids, Anette Kanminski. "Mas as crianças poderão se aproximar dele."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.