Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão

Primeiros exames de DNA devem ficar prontos no sábado, diz IML

Perfis genéticos de seis das sete vítimas da queda do avião onde estava Eduardo Campos serão submetidos à análise; liberação dos corpos ainda não tem data

Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

15 de agosto de 2014 | 13h06

SÃO PAULO - Seis perfis genéticos de vítimas do acidente de avião em Santos, entre eles o do ex-governador, Eduardo Campos (PSB), estão prontos para análise, informou a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP) no início da tarde desta sexta-feira, 15. Os primeiros resultados dos exames de DNA devem ficar prontos somente no sábado, 16. De acordo com a pasta, faltam apenas informações sobre o piloto Geraldo Cunha.

Segundo a SSP, amostras do DNA de Cunha chegaram nesta sexta-feira de Governador Valadares (MG). Nesta quinta-feira, 14, um agente da Polícia Federal foi até a cidade mineira coletar o DNA de familiares da vítima. A nota da secretaria é assinada por Ivan Miziara, diretor do Instituto Médico Legal (IML).

A SSP não deu um prazo para começar a liberar os corpos, mas o governador Geraldo Alckmin (PSDB) estimou que isso aconteça a partir do sábado.

Por volta das 12h30, o secretário estadual de Segurança Pública, Fernando Grella Vieira, chegou ao IML para acompanhar os trabalhos.

Para confrontar as informações e saber de quem são os restos mortais, é preciso fazer um perfil genético das partes das vítimas. Desse modo, os especialistas e técnicos do Instituto de Criminalística comparam com o perfil genético dos familiares.

O dentista de Eduardo Campos, Fernando Cavalcanti, que veio a São Paulo para ajudar nos trabalhos, informou que não foi possível realizar a identificação do ex-governador por meio da arcada dentária. / Colaborou Angela Lacerda

Mais conteúdo sobre:
eleiçõesEduardo CamposDNA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.