Primeiros condenados do escândalo da Petrobrás têm de devolver R$ 18 milhões

Passado pouco mais de um ano da deflagração da Operação Lava Jato, o escândalo de desvios em obras da Petrobrás teve ontem sua primeira condenação. Oito acusados, entre eles o ex-diretor de Abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa e o doleiro Alberto Youssef, tiveram penas estabelecidas entre 4 e 11 anos de prisão por organização criminosa e lavagem de dinheiro. Os delitos se referem à movimentação de dinheiro relativo a contratos da construção da refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco. Na sentença, o juiz Sérgio Moro, da Justiça Federal no Paraná, mandou ainda que um executivo de empresa e cinco pessoas ligadas a Youssef devolvam R$ 18,6 milhões aos cofres da Petrobrás.

RICARDO BRANDT, ENVIADO ESPECIAL / CURITIBA , FAUSTO MACEDO , JULIA AFFONSO, O Estado de S.Paulo

23 Abril 2015 | 02h03

A condenação de ontem não trata de corrupção nem superfaturamento nas obras da Abreu e Lima, iniciada em 2007 com orçamento de R$ 2,5 bilhões e que já consumiu mais de R$ 20 bilhões.

O processo se concentra em operações financeiras de 2009 a 2014, realizadas com o dinheiro dos desvios. As ações penais que tratam da corrupção e do superfaturamento estão entre as quase duas dezenas de denúncias que ainda não foram julgadas na primeira instância judicial.

Na condenação de ontem, Sérgio Moro descreve o caminho do dinheiro: a Petrobrás pagava a Camargo Corrêa por obras na Abreu e Lima. A empreiteira subcontratava as empresas Sanko Sider e Sanko Serviços e Mapeamento, do mesmo grupo, para fornecer materiais e serviços. Essas duas empresas subcontratavam consultorias de fachada ligadas a Youssef, que, por fim, enviava o dinheiro ao exterior.

Ao todo, segundo o juiz, R$ 18,6 milhões foram lavados em meio a essas operações. E é essa quantia que Sérgio Moro quer que os condenados devolvam à Petrobrás. Na prática, o dinheiro só estará disponível para a estatal depois que o processo transite em julgado, ou seja, depois que não haja mais possibilidade de recursos para os condenados.

A Petrobrás admite uma perda de R$ 6,2 bilhões com o esquema de corrupção que funcionou entre os anos de 2004 a 2012.

A sentença de ontem não especifica se o dinheiro referente a essas transações ia ou não parar na mão de partidos ou de políticos. Esse elo está sendo tratado em investigação sob a guarda do Supremo Tribunal Federal em razão de parte dos suspeitos ter foro privilegiado - 35 investigados detêm mandato no Congresso.

O ex-diretor e o doleiro são as principais fontes de informação dos investigadores da Lava Jato. Eles têm acordo de delação premiada por meio do qual terão suas sentenças finais abrandadas devido à colaboração. Costa, condenado ontem a 7 anos e seis meses de detenção, cumpre prisão domiciliar e deve ir para o regime aberto em 2016. Youssef, condenado ontem a 9 anos e 2 meses, ficará 3 anos em regime fechado. Eles não terão de ajudar a pagar os R$ 18,6 milhões porque já se comprometeram, na delação premiada, a devolver tudo o que desviaram da Petrobrás.

Sérgio Moro defendeu o instrumento da delação na sentença. "Crimes não são cometidos no céu e, em muitos casos, as únicas pessoas que podem servir como testemunhas são igualmente criminosos", escreveu.

Além do ex-diretor e do doleiro, foram condenados Márcio Andrade Bonilho, executivo do grupo Sanko, Esdra de Arantes Ferreira, Leandro Meirelles, Leonardo Meirelles, Waldomiro de Oliveira e Pedro Argese Júnior - estes cinco membros do esquema de fachada de Youssef.

O executivo recebeu uma sentença de 11 anos e 6 meses de detenção. Sérgio Moro não decretou sua prisão, assim como não o fez nos casos dos condenados ligados a Youssef. Eles poderão recorrer em liberdade.

A Lava Jato foi deflagrada em 17 de março de 2014. Desde então, houve outras duas condenações envolvendo personagens do caso. Mas nenhuma delas tinha ligação com obras da Petrobrás.

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.