Primeiro dia útil do horário de verão exigiu esforço

No primeiro dia útil do horário de verão, hoje, a reações variaram - aborrecimento, indiferença e alegria -, mas todos fizeram um certo esforço de adaptação, principalmente os que precisam acordar cedinho.O comerciante Carlos Cabrera, de 28 anos, pulou da cama às 7 horas - horário que costuma levantar todos os dias. Mas foi diferente. "Fiquei com sono durante todo o dia. Quando acordei ainda não tinha aquele sol da manhã." Cabrera afirma não se darmuito bem com o horário de verão. "É bom para quem não precisa acordar cedo."Para a arquiteta Karina Batista, de 22 anos, também foi difícil sair da cama. "Eu até acordei, mas logo voltei a dormir", disse ela, que só se levantou depois que sua mãe foi lembrar-lhe do horário de verão. Acabou chegando atrasada ao trabalho. Mas Karina afirma que prefere o novo horário. "O dia rende mais e a gente não fica com aquela sensação de que ficou o dia inteiro enfurnada no escritório." Para ela, apesar dos primeiros dias de adaptação, o horário de verão deveria se estender por todo o ano.O novo horário não foi obstáculo para que o secretário de Estado da Saúde, José da Silva Guedes, acordasse hoje às 6 horas, como faz todas as manhãs. "Não senti diferença nenhuma" disse ele.Já o pediatra Hamilton Henrique Robledo perdeu a hora no domingo por causa dos relógios adiantados em uma hora. "O despertador tocou às 6h30, mas dormi até as 7h30", contou. Hoje segundo dia do horário de verão, Robledo já estava adaptado. "Durmo pouco, da meia-noite às 5h30."O delegado Osvaldo Nico Gonçalves, de 45 anos, supervisor do Grupo de Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra), disse que o fato de levantar às 6 horas todos os dias ajuda a não estranhar o horário de verão. Mesmo assim, o policial confessa que, no início, percebe a diferença. "Como sou muito ansioso e quero fazer tudo logo, me atrapalho um pouco porque às 7 horas ainda não está tão claro", explica.O horário de verão entrou em vigor na primeira hora de domingo. Relógios dos Estados das Regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, além dos da Bahia e Tocantins, tiveram de ser adiantados em uma hora.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.