Primeiro depoimento de Belo dura 50 minutos

Menos de 24 horas depois de ganhar a liberdade, o cantor Marcelo Pires Vieira, o Belo, prestou depoimento nesta sexta-feira, por 50 minutos, na 34ª Vara Criminal, no fórum. Ele responde a processo por tráfico de drogas, porte ilegal de armas e associação para o tráfico. Belo chegou ao fórum às 14h40, mas só foi ouvido pela juíza Rute Viana Lins às 16h10.Além do cantor, dez traficantes envolvidos no caso também compareceram para depor. Esta foi a primeira das três audiências de que Belo vai participar ainda neste mês. Na madrugada desta sexta, o cantor saiu da Delegacia Anti-Seqüestro (DAS), no Leblon, na zona sul do Rio, onde esteve preso durante 36 dias.O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Marco Aurélio Mello, havia concedido habeas-corpus no fim da tarde do mesmo dia. Ele tomou essa decisão por Belo ser réu primário e ter residência fixa. Das 11 pessoas que prestaram depoimento nesta sexta, o pagodeiro é o único que responde o processo em liberdade.Em abril deste ano, Belo foi acusado de envolvimento com o tráfico de drogas, depois que sua voz foi reconhecida em ligações telefônicas interceptadas a partir do celular do traficante Valdir Ferreira, o Vado, que continua foragido. Segundo a polícia, o pagodeiro negociava a compra de um fuzil AR-15.O criminoso, por sua vez, pedia R$ 11 mil para a compra de entorpecentes. Em seu processo, o cantor está ao lado de criminosos conhecidos, como Márcio José Guimarães, o Tchaca, Marcos Vinícius da Silva, o Lambari, Nei France da Silva Nunes, o Nei Sapo, e Fábio Pinto dos Santos, o Fabinho do São João.Também estão presos Aleksandro da Silva, Anderson Goulart, Paulo Sérgio Pereira Escardino, Martha Rocha Pereira, Antônio Carlos Ferreira Gabriel, o Rumba, e o ex-PM Jucimar Pereira de Carvalho, o Velho.Todos compareceram ao fórum sob escolta do Batalhão de Operações Especiais (BOPE). Belo entrou e saiu do fórum sem falar com a imprensa. Mais magro e com os cabelos escuros, o cantor vestia uma jaqueta de couro marrom e deixou a sala de audiência escoltado por policiais militares. O processo corre em segredo de justiça, mas o advogado do pagodeiro, Ary Bergher, afirmou que o depoimento desta sexta foi positivo. ?O depoimento foi espetacular. Ficou claro que ele é inocente, e estamos confiantes na Justiça.?Um grupo de 15 pessoas, entre fãs e curiosos, ficou no corredor do andar onde Belo prestava depoimento, esperando para ver o cantor. Três meninas usavam faixas na testa com o nome do pagodeiro e mostravam cartazes com palavras de apoio. A estudante Debora Rezende, de 17 anos, veio de Bangu, na zona oeste, e esperava o ídolo desde às 9 horas. Ela viu Belo de perto quando ele entrou para depor.?Ele viu o cartaz e olhou para a gente. Tenho certeza de que é inocente?, disse. Daniele Nunes, de 16 anos, teve mais sorte. Semana passada, ela conseguiu ficar 5 minutos na cela com Belo, na DAS. ?Ia lá todo dia, até que o delegado me deixou entrar?. A estudante disse que o cantor pediu para que os fãs não o abandonassem e rezassem por ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.