Primeira mudança no Ministério envolve aliado de Dirceu

Um aliado do deputado cassado José Dirceu (PT-SP) foi o primeiro nome conhecido da equipe ministerial do segundo mandato do presidente Lula. O advogado José Antonio Dias Toffoli, de 39 anos, tomou posse na segunda-feira, 12, como ministro da Advocacia-Geral da União (AGU), em substituição a Álvaro Augusto Ribeiro Costa, que ocupou o posto nos últimos quatro anos.Toffoli foi advogado de Lula nas eleições de 1998, 2002 e 2006. Entre 2003 e 2005, atuou como subchefe de Assuntos Jurídicos da Casa Civil, na gestão do então ministro José Dirceu. Com a demissão de Dirceu, Toffoli foi dispensado pela sucessora, ministra Dilma Rousseff.Na cerimônia de posse, na segunda-feira, no Palácio do Planalto, Lula elogiou Costa, dizendo que ele evitou perdas de dinheiro para a União em ações no Supremo Tribunal Federal (STF). "Agradeço a lealdade e a seriedade com que você tratou dos processos", disse. "Sem as suas defesas extraordinárias, possivelmente a União perderia milhões e milhões e, por que não dizer, bilhões e bilhões."A passagem de Costa pela AGU ficou marcada pela desastrada decisão do governo de expulsar o jornalista americano Larry Rohter do País, em 2004. Numa reunião no Planalto para discutir o cancelamento do visto do repórter - que publicou no New York Times um texto sobre o consumo de álcool por Lula -, Costa disse ao presidente que a medida poderia causar problemas políticos, mas estava amparada juridicamente. A decisão, porém, era baseada numa lei da época do regime militar e o governo teve de recuar, diante da pressão da sociedade. Na cerimônia, Lula disse que Toffoli terá "muito trabalho", em especial ao tratar dos problemas dos funcionários da AGU, que reivindicam reajuste salarial. E lembrou do trabalho de Toffoli em 2002. "Me lembro dos elogios que o advogado que defendia os erros da minha campanha recebia dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral", disse. Participaram também da cerimônia o vice-presidente, José Alencar, e o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.