Primeira-dama do Ceará é indiciada por ameaçar eleitores

Investigações feitas pela PF indicam que Onélia Leite Santana atuou em benefício do candidato Fernando Santana em Barbalha

Carmen Pompeu, especial para O Estado, O Estado de S. Paulo

12 Dezembro 2016 | 18h19

 

Fortaleza – A primeira-dama do Ceará, Onélia Leite Santana, foi indiciada pela Polícia Federal pelos crimes de associação criminosa, compra de votos e ameaça a eleitores durante a eleição municipal deste ano em Barbalha, no Cariri cearense. Investigações feitas pela PF indicam que ela atuou em benefício do candidato Fernando Santana, primo do governador Camilo Santana, ambos do PT. A informação foi confirmada pelo Estado junto à delegada Josefa Maria Lourenço da Silva, da Delegacia de Polícia Federal em Juazeiro do Norte, responsável pelo inquérito.

A investigação começou, ainda durante a campanha eleitoral, com a prisão em flagrante de Ana Quitéria, assessora da primeira-dama, no dia 30 de setembro deste ano. Ana Quitéria e outras duas pessoas estavam com diversos envelopes contendo cédulas de R$ 50 e R$ 100, totalizando mais de R$ 46 mil, além de vasto material do candidato a prefeito Fernando Santana.

A partir da prisão em flagrante da assessora, a PF passou a investigar o caso, comprovando a atuação da primeira-dama e de outras pessoas ligadas a ela. Além da compra de votos, segundo a PF, Onélia também fazia ameaça aos eleitores, dizendo que, caso Fernando Santana não vencesse, o governo estadual não mandaria dinheiro para o município.

Fernando Santana, que, antes de se candidatar a prefeito de Barbalha, era assessor do gabinete do governador Camilo Santana, não foi eleito. Numa disputa apertada, ele obteve 48,91% dos votos válidos, perdendo para Argemiro Sampaio (PSDB), que obteve 49,44% dos votos válidos.

Além de Onélia, também foram indiciados Ana Quitéria e Fernando Santana.

A primeira-dama ainda não se pronunciou sobre o assunto. De acordo com a Assessoria de Comunicação do Governo do Ceará, a posição é de, neste momento, não se manifestar sobre a questão e que, caso haja qualquer mudança, entraria em contato.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.