Primárias do PFL são irreais, dizem analistas

As primárias propostas pelo presidente do PFL, Jorge Bornhausen (SC), para a escolha do candidato governista à Presidência da República são "impossíveis", na avaliação de especialistas ouvidos pela AE. Segundo eles, o partido está agindo demagogicamente. Bornhausen sugeriu recentemente que os partidos da base realizem primárias, para filiados ou não aos partidos. O professor da Universidade de São Paulo (USP) e consultor político Gaudêncio Torquato diz que acaba sendo uma outra eleição. "Essa proposta não vingaria nem que ficasse restrita aos eleitores filiados aos partidos", sentencia. "Não pega nem 5% do eleitorado."Segundo ele, a iniciativa do PFL é uma tentativa de criar um fato político, porque o partido não tem candidato. "Foi o instrumento encontrado para embaralhar, adiar o processo", avalia. Para o cientista político Carlos Novaes, a escolha do candidato de uma aliança é feita "intramuros". "Não se pode transferir isso."Agindo assim, diz ele, os partidos acabam não fazendo o exercício de coordenação política, negociando, polindo diferenças. Na avaliação de Novaes, o PFL está tentando apenas aumentar seu cacife político. "É uma proposta com excesso de participação, que chega a ser demagógica." Não se sabe quanto custariam essas primárias. O pleito do ano passado - que elegeu prefeitos - custou ao TSE mais de R$ 196 milhões, gastos com a adaptação das urnas e a aquisição de novas unidades eletrônicas.Em tese, seria necessário apenas preparar esssa urnas para a votação - com os nomes dos candidatos - e ligá-las a tomadas. O serviço seria executado pela Justiça Eleitoral, sem custos adicionais, de acordo com informações do tribunal. O secretário-executivo do PFL, Saulo Queiroz, diz que o fundo partidário pagaria eventuais danos aos equipamentos, e os partidos bancariam a publicidade, até por meio de doações. Ele rebate críticas à idéia, dizendo que as primárias fortaleceriam a candidatura governista. "Se a idéia da primária pega, você dá uma dimensão melhor à candidatura."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.