PRF de SP entra em greve por tempo indeterminado

A Polícia Rodoviária Federal do Estado de São Paulo entrou em greve nesta sexta-feira, 24. A paralisação nacional da categoria foi determinada pela Federação dos Policiais Rodoviários (FenaPRF) na última segunda-feira, 20.

GHEISA LESSA, Agência Estado

24 de agosto de 2012 | 16h41

Nesta sexta à tarde, os agentes promovem um ato na Rodovia Presidente Dutra para marcar a data. Cerca de 300 policiais rodoviários federais reúnem-se em frente à superintendência da corporação, na altura do km 230 da Dutra, na zona norte de São Paulo. O grupo não pretende interditar trechos da rodovia, afirma o sindicato.

Junto com servidores da Receita Federal e da Polícia Federal, a PRF rejeitou na tarde da última quinta-feira, 24, a proposta do governo federal feita por meio do Ministério do Planejamento. A pasta ofereceu 15,8% de reajuste salarial. Para as três categorias o índice não corresponde às reivindicações e elas prometeram aumentar a adesão da greve em todo o País.

O presidente do Sindicato dos Policiais Rodoviários Federais de São Paulo (Sinprf-SP) Luiz Antônio Pereira explicou que os policiais do Estado deveriam ter parado os serviços logo após a determinação da federação, mas que para atender às burocratizações de um comando de greve, precisaram esperar o registro no estatuto.

Pereira afirma que o ato não prejudicará o tráfego de veículos na região, uma vez que a Presidente Dilma Rousseff vetou quaisquer manifestações consideradas excessivas. A categoria pretende manter 30% do efetivo trabalhando, conforme determina a lei, e promete atender às ocorrências mesmo em greve. A PRF pede a reestruturação da categoria e o aumento do efetivo. O Estado de São Paulo conta, hoje, com 650 mil agentes rodoviários federais, número que é insuficiente, segundo Pereira. Para o sindicatoo número ideal de servidores seria em torno de 1.200 agentes.

O governo federal já marcou uma nova reunião de negociação com a PRF para a próxima segunda-feira, 27, às 16h, no Ministério do Planejamento, em Brasília.

Tudo o que sabemos sobre:
greveservidoresPRFSPamplia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.