Previdência impede pagamento do mínimo em março, diz Marinho

O ministro do Trabalho, Luiz Marinho, admitiu hoje que não é possível antecipar para março o pagamento do salário mínimo que seria reajustado em R$ 350, como querem as centrais sindicais. Ele disse que ontem, depois de se reunir com sindicalistas, esteve com o ministro da Previdência, Nelson Machado, para avaliar o impacto de um mínimo de R$ 350, a partir de março. "Checamos e vimos que o impacto seria de mais de R$ 2 bilhões. Desse jeito, essa formulação de R$ 350 já não seria possível", afirmou.O ministro explicou que cada mês antecipado do reajuste do salário mínimo produz um impacto na Previdência de R$ 1,068 bilhão. Mas apesar da dificuldade, Luiz Marinho está otimista com o diálogo que vem mantendo com as centrais sindicais e aposta que governo e sindicalistas estão "no caminho do acordo". Ele ressaltou, porém, que para isso será preciso reduzir o impacto do salário mínimo no orçamento, seja alterando o próprio valor ou mantendo o reajuste em maio e não em março, como defendem as centrais sindicais. O ministro disse que as conversas com os sindicalistas estão boas e que ninguém condicionou o apoio ao governo ao novo valor do mínimo.Luiz Marinho visitou há pouco o presidente da Câmara, Aldo Rebelo. Disse que foi pedir a Rebelo que o ajude a "corrigir uma falha orçamentária" no ministério. Segundo Marinho, a proposta orçamentária para seu ministério está muito aquém das necessidades.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.