Previ não fala sobre participação de Mercadante

A Previ não deverá discutir formalmente a participação do deputado federal Aloizio Mercadante (PT-SP) na formação do consórcio de que arrematou a Companhia Vale do Rio Doce, privatizada em 1996, nem assuntos envolvendo o caso o empresário Benjamin Steinbruch e o ex-diretor do Banco do Brasil, Ricardo Sérgio de Oliveira. Segundo o diretor de Seguridade do fundo, Henrique Pizzolato, ligado ao PT, o presidente da Previ, Luiz Tarquínio Ferro, não pautou nenhuma discussão desse tipo e propôs que o fundo "fique fora" do assunto. Pizzolato, que não era da Previ na privatização, disse não ser favorável a discutir a atuação do parlamentar. ?Não tem nenhuma evidência de nada", disse. "O que vamos colocar em discussão? Que o Mercadante falou uma coisa numa reunião?"Outro diretor da Previ, Sérgio Rosa, também ligado ao PT, acha que, até o momento, pelo noticiário, não há nada que envolva diretamente a Previ. "Se houve alguma coisa, foi entre Benjamin Steinbruch e Ricardo Sérgio, sem participação da Previ", ressaltou. Segundo ele, o hoje deputado petista, à época sem mandado, apenas participou de reuniões. "Não há nada que desabone nem Mercadante, nem os diretores citados", declarou. Quando a Vale foi privatizada, com a participação da Previ, Rosa também não era diretor do fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.