Pedro França/Agência Senado
Pedro França/Agência Senado

Prevent Senior admite que mudou registros de covid

Diretor executivo da operadora de saúde prestou depoimento aos senadores na CPI da Pandemia e confessou a alteração nas fichas de pacientes; médicos dizem que prática é irregular

Julia Affonso e Amanda Pupo, O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2021 | 22h13

BRASÍLIA — O diretor executivo da Prevent Senior, Pedro Benedito Batista Júnior, admitiu nesta quarta-feira, 22 que a operadora de saúde alterou fichas de pacientes internados em hospitais da rede para retirar o registro de covid-19, inserindo outra doença no lugar. A declaração foi dada nesta quarta-feira, 21, à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado, que investiga a conduta da operadora de plano de saúde. Senadores acusaram o executivo de ter confessado um crime. Seis médicos consultados pelo Estadão disseram que essa prática de trocar o CID (Código Internacional da Doença) “jamais” poderia ocorrer.

A empresa se tornou alvo da CPI após médicos denunciarem que a rede se tornou uma espécie de “laboratório” para testar a eficácia da hidroxicloroquina no tratamento da covid, tese defendida pelo governo federal. Um dossiê elaborado por ex-funcionário da Prevent Senior, entregue à CPI, apontou inclusive atestados de óbitos fraudados de forma a omitir mortes pela doença.

O Estadão revelou na quarta-feira que um dos casos é o da mãe do empresário Luciano Hang, Regina Hang, que foi internada em um hospital da rede em São Paulo com diagnóstico de covid no dia 31 de dezembro e morreu cerca de um mês depois. No atestado de óbito, no entanto, não há menção à covid. A revista piauí informou que o mesmo ocorreu no caso do médico Anthony Wong, um defensor do chamado “tratamento precoce” nas redes sociais.

Em nota, Hang disse que sua mãe morreu por complicações da covid-19 e declarou “total confiança nos procedimentos adotados pelo Prevent Senior”. A operadora nega ter fraudado as declarações de óbito. 

O volume de suspeitas de fraude complicou a situação do diretor da Prevent. Pressionado pelos senadores, ele acabou admitindo a troca do CID após ser confrontado com uma mensagem de WhatsApp, de 17 de novembro de 2020, na qual um médico da rede pede para “padronizar” o CID “para qualquer outro (código), exceto B34.2 (da covid)”.

“O CID era mudado no sistema para tirar o paciente de isolamento e não no atestado de óbito ou, então, no atestado que ia para a vigilância sanitária, já notificando o paciente que estava, sim, com covid-19”, afirmou Batista Jr. Ele acrescentou que a mudança ocorria após um período de 14 a 21 dias de internação.

“Sinceramente, modificar o código de uma doença é um crime. Infelizmente, o Conselho Federal de Medicina não pune o senhor”, disse o senador Otto Alencar (PSD-BA), que é médico. Procurado na quarta-feira, o CFM não comentou.

O Estadão conversou com seis médicos, chefes de UTI-Covid, e eles afirmaram que “jamais” se altera o CID para retirar o paciente do isolamento. Um profissional de saúde classificou a mudança como “totalmente errada” e “antiética”, porque você altera o histórico do paciente. Outro afirmou ser “amoral” e “leviano”.

O resumo da internação de um paciente é um somatório de CIDs e não uma subtração, explicou um dos médicos. “Você não muda a história de uma pessoa para tirá-la do isolamento”, disse um deles, em condição de anonimato. “Quando vai dar alta ou fechar um caso, você vai listar todos os CIDs dele, você não tira CID.”

O CID é uma base internacional de códigos únicos para lesões, doenças e causas de morte. A classificação permite a identificação de tendências e estatísticas no mundo.

Óbitos. No dossiê entregue à CPI, 15 médicos que trabalharam na Prevent Senior apontaram “inúmeros casos” de irregularidades em declarações de óbito, entre eles a de Regina Hang e Anthony Wang.

“Como outros tantos casos de óbitos na rede Prevent Senior decorrentes da covid-19 que não foram devidamente informadas às autoridades, a declaração de óbito da sra. Regina Hang foi fraudada ao omitir o real motivo do falecimento", diz o documento. Hang é apoiador do presidente Jair Bolsonaro e incentivador do chamado “tratamento precoce”, composto por medicamentos sem eficácia comprovada ou contraindicados para tratar a doença. 

O Estadão teve acesso à certidão de óbito de Regina. No documento, a causa da morte é descrita como “disfunção de múltiplos órgãos, choque distributivo refratário, insuficiência renal crônica agudizada, pneumonia bacteriana, síndrome metabólica, acidente vascular isquêmico prévio”. Não há menção a covid.

O Ministério da Saúde padroniza a codificação das causas de morte informadas na Declaração de Óbito por causa da covid. Segundo a pasta, as causas atestadas pelo médico no documento “refletem uma sequência de eventos que conduziram à morte e as relações existentes entre elas”. Quando há um caso confirmado de covid, o ministério afirma que a declaração de óbito deve seguir uma “sequência de eventos que levou ao óbito”, apontando a doença “na última linha” do documento. A identificação do número de óbitos por covid é fundamental para o País ter uma cenário real da doença.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.