Pressão para fim do isolamento vem de investidores da Bolsa, afirma Maia

‘Quem foi para o risco, foi para o risco’, diz presidente da Câmara, que questionou a ideia de ‘isolamento vertical’ para idosos e pessoas de baixa renda, citada por Bolsonaro

Camila Turtelli - O Estado de S.Paulo

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar por R$ 0,99

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar por R$ 0,99

Você leu 4 de 5 matérias gratuitas do mês

ou Assinar por R$ 0,99

Essa é sua última matéria grátis do mês

ou Assinar por R$ 0,99

BRASÍLIA – Um dia após o presidente Jair Bolsonaro criticar a quarentena decretada por governadores em rede nacional, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse, por duas vezes no mesmo dia, que a pressão para o fim da medida vem de investidores que tiveram perdas na Bolsa de Valores. Maia também criticou a falta de planejamento estratégico com idosos de baixa renda para a sugestão de “isolamento vertical” feita pelo governo. 

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Foto: Felipe Rau/Estadão

“Minha opinião é que nas últimas semanas nós tivemos uma pressão muito grande de parte de investidores. Aqueles que colocaram recursos na Bolsa de valores, esperando a prosperidade com a Bolsa a 150 mil pontos, a 180 mil pontos. A Bolsa caiu, como caiu no mundo inteiro, porque essa não é uma crise do Brasil, é uma crise mundial que atinge o Brasil”, disse.

Segundo ele, desde a sexta-feira, artigos voltados a investidores começaram a falar da necessidade de não ter isolamento.

“Nós colocarmos as vidas dos brasileiros em risco por uma pressão de parte de brasileiros que investiram na Bolsa e está perdendo dinheiro, quem foi para o risco, foi para o risco. O que a gente precisa é continuar seguindo a orientação do Ministério da Saúde”, afirmou.

Maia havia feito o mesmo comentário hora antes, em teleconferência com governadores. Ele disse que falta previsibilidade aos brasileiros. “Se o governo já tivesse resolvido a renda dos brasileiros mais simples, uma política de isolamento dos idosos nas cidades com maior número de comunidade, Rio e são Paulo, se o governo já tivesse garantido a renda do emprego pelo menos daqueles que ganham até o teto do INSS, nós teríamos garantido previsibilidade”. Maia classificou a pressão de equivocada.

O presidente da Câmara questionou ainda a ideia de isolamento vertical, citada na terça-feira por Bolsonaro. “Como você propõe isolamento vertical se não tem política para isolar idosos de baixa renda”, afirmou. “Não há preocupação para esses brasileiros que vivem em ambientes pequenos, com muita gente que, com certeza, saindo para trabalhar, contaminarão milhares de idosos”, disse.

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato