Pressão aumenta, mas Aécio descarta ser vice de Serra

Um dos potenciais candidatos do PSDB à Presidência da República em 2010, o governador de Minas Gerais, Aécio Neves, negou ontem que pretenda compor uma chapa única com o governador paulista, José Serra, para disputar o Planalto. A tese da chapa puro-sangue voltou a ganhar força no partido, alavancada pelas últimas pesquisas de intenção de voto, em que o mineiro aparece atrás da pré-candidata do PT, a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, nas simulações de segundo turno. ?Não existe essa possibilidade. Num quadro pluripartidário como o brasileiro, as alianças são absolutamente necessárias. E o PSDB não foge à regra?, disse o governador, que completou: ?Será muito importante o compartilhamento da chapa com outro partido.?

AE, Agencia Estado

08 de abril de 2009 | 09h31

A avaliação no PSDB é que uma chapa com Serra na liderança e Aécio na vice seria imbatível do ponto de vista eleitoral. Juntaria os dois principais colégios eleitorais do País, São Paulo e Minas, onde ambos são bem avaliados. Juntos teriam um potencial de 44 milhões de eleitores, ou mais de 30% de todo o eleitorado nacional. Anteontem, o principal cacique do PSDB, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que já foi um dos entusiastas da chapa puro-sangue, foi cuidadoso ao comentar uma eventual composição entre os dois: ?Não posso dizer que acredito nisso, pois seria uma desconsideração com governador Aécio, que é candidato a ser cabeça de chapa.? O presidente do partido, senador Sérgio Guerra (PE), também esboçou ceticismo com a atual viabilidade de uma chapa puro-sangue no PSDB. ?Numa eleição, o partido deve procurar parcerias. A chapa puro-sangue fecha a possibilidade de outras alianças?, afirmou o secretário-geral do partido, deputado Rodrigo de Castro (MG).

Ontem, em Minas, ao ser questionado sobre um acordo com Serra, Aécio respondeu: ?Nós estamos no tempo dos boatos, da especulação. O que é natural. Isso vai ocorrer daqui até o momento da definição do partido. Não há mudança alguma.? Os mineiros creditam aos tucanos paulistas o que chamam de boatos sobre a desistência de Aécio de disputar a indicação do PSDB. Caso não receba a indicação do PSDB para disputar a Presidência em 2010, Aécio avalia que o seu caminho natural é o Senado, para o qual não teria dificuldade de se eleger. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2010Aécio NevesPSDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.