Presos são soltos com liminar falsa do STJ em MG

Três presos foram soltos no dia 26 de janeiro, em Minas Gerais, com base em decisão forjada do Superior Tribunal de Justiça (STJ). A fraude foi descoberta pelo vice-presidente do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), Francisco Peçanha Martins, que teve a assinatura falsificada na suposta liminar que libertou os suspeitos de envolvimento em falsificação de documento público, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, corrupção e crime contra o meio ambiente. Martins pediu à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), à Polícia Federal (PF) e ao Ministério Público Federal (MPF) que apurem o caso. Os nomes dos réus não foram divulgados pelo STJ.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.