Presos rebelados fazem 26 reféns no PR

Cerca de 1,5 mil presos da Penitenciária Central do Estado do Paraná (PCE) rebelaram-se no início da noite desta quarta-feira. Segundo as informações da Secretaria de Segurança Pública, pelo menos 26 agentes penitenciários seriam reféns e há suspeitas de a rebelião esteja sendo liderada por oito integrantes da organização paulista Primeiro Comando da Capital, entre eles José Márcio Felício, o Geléia.De acordo com as informações da direção da PCE, os rebelados estão com quatro pistolas e cinco revólveres. Eles estão pedindo a transferência para outras penitenciárias. A Secretaria informou, por volta das 22 horas, que as negociações seriam retomadas somente nesta quinta, porque depende de fazer consultas para outros Estados.A rebelião começou por volta das 18 horas, quando um caminhão levando mantimentos entrou na penitenciária. Alguns presos tentaram aproveitar para fugir. A tentativa foi abortada pelos agentes, e os presos os tomaram como reféns. Por volta das 22 horas, quando parou a chuva, que caía desde as 20 horas, os presos colocaram fogo em colchões jogados no pátio. A Polícia Militar cercou toda a penitenciária.Geléia estava na Prisão Provisória de Curitiba e foi transferido sexta-feira para a PCE.A PCE enfrentou sua última rebelião em outubro do ano passado, com os presos ficando amotinados por 86 horas. Naquela ocasião, a direção aceitou as exigências de 16 líderes, que foram transferidos para Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Rondônia. Os presos mantiveram sete reféns durante a rebelião. Três presos, que não se amotinaram, ficaram feridos, sem gravidade.Para prevenir rebeliões, a direção tinha feito uma operação pente-fino havia cerca de dois meses, encontrando mais de 500 colheres, que serviriam como armas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.