Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Presos da Lava Jato fazem exame de corpo de delito no IML

Pelo menos cinco dos 23 presos na sétima etapa da Operação Lava Jato fizeram o exame na manhã deste domingo

Ricardo Brandt , O Estado de S. Paulo

16 de novembro de 2014 | 12h40

Pelo menos cinco dos 23 presos na sétima etapa da Operação Lava Jato, entre eles o ex-diretor de Engenharia da Petrobrás Renato Duque, foram levados na manhã deste domingo, 16, para o Instituto Médico Legal de Curitiba (PR) para fazer exame de corpo de delito.

Além de Duque, foram encaminhados em uma van, o presidente da UTC Engenharia, Ricardo Pessoa, e o presidente da OAS, José Aldemário Pinheiro Filho.

Eles estão na carceragem da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba desde a madrugada do sábado. Os 23 presos até agora estão em um espaço onde ficam as duas celas do prédio. Alguns tiveram que dormir em colchões no chão e comeram a comida fornecida pela polícia. Advogados dos presos, que ontem chegaram a reclamar da falta de acesso imediato aos clientes, afirmaram que apesar do espaço pequeno para tanto preso não houve reclamações por parte deles quanto às condições do local.

Uma lista com a escala de depoimentos até terça-feira foi entregue aos advogados, que durante todo sábado estiveram na sede da PF. Neste domingo, além dos exames de corpo de delito, os presos estão sendo ouvidos pelos delegados do caso, acompanhados de seus advogados.

O presidente da UTC - empreiteira acusada de ter se associado comercialmente ao doleiro e delator Alberto Youssef -, que foi hoje ao IML, tem depoimento marcado para terça-feira. Seu advogado, Alberto Toron, foi um dos que visitou o cliente ontem. Na terça-feira vence o prazo da prisão temporária, concedida pelo juiz federal Sérgio Moro, na etapa batizada de Juízo Final, que mirou o núcleo empresarial do esquema e nomes ligados ao PT e ao PMDB. 

Além de Duque, indicado petista, foi decretada da prisão do operador peemedebista, Fernando Antonio Falcão Soares, o Fernando Baiano. Ele está foragido. Baiano é um dos alvos centrais da nova etapa da Lava Jato. Ele pode atingir o PT, via Duque, o PP, via Paulo Roberto Costa, e o PMDB, via ex-Diretor de Internacional Nestor Cerveró.

Habeas corpus. Neste domingo, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região deve decidir sobre novos pedidos de habeas corpus para os presos da Lava Jato. A desembargadora Maria de Fátima Freitas Labarrere já negou os pedidos que entraram no plantão de final de semana, mantendo os argumento da Justiça Federal de necessidade de manutenção das detenções.

Como já foram negados os primeiros pedidos que alegam não haver a necessidade das prisões preventivas e temporárias, a tendência é que ela siga o mesmo posicionamento nos demais casos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.