Presos 19 acusados de fraudar projeto de reforma agrária no MS

Operação policial foi deflagrada para desmantelar um esquema criminoso na região sul do Estado

Julia Baptista, da Agência Estado,

30 de agosto de 2010 | 10h24

SÃO PAULO - Dezenove pessoas foram presas na manhã desta segunda-feira, 30, em Campo Grande e Naviraí, em Mato Grosso do Sul, e em Cosmorama, no interior paulista, durante a Operação Tellus, da Polícia Federal (PF) e do Ministério Público Federal (MPF), deflagrada para desmantelar um esquema criminoso presente em projetos de reforma agrária na região sul do Estado de Mato Grosso do Sul. Os policiais cumpriram 19 dos 20 mandados de prisão expedidos pela Justiça Federal.

Ao longo das investigações, realizadas pela PF de Naviraí e pelo MPF de Dourados (MS), foram confirmadas fraudes na distribuição de lotes nos assentamentos do complexo Santo Antônio, em Itaquiraí (MS); comercialização de lotes destinados à reforma agrária, com a regularização dessas transações pelos servidores do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra); manipulação de concorrências para aquisição de produtos e serviços comprados para os assentamentos com verbas públicas federais; e recebimento de propina por servidores do Incra para a exclusão de imóveis rurais de processo de avaliação a fim de verificar produtividade.

De acordo com a PF, participavam do esquema criminoso servidores do Incra de Dourados e de Campo Grande, líderes de assentamentos e empresários fornecedores de produtos e serviços. Segundo o MPF, o dano causado pela organização criminosa à União atinge os R$ 12 milhões.

Para a operação foram mobilizados 137 policiais e 51 viaturas a fim de cumprir 20 mandados de prisão e 25 mandados de busca. Os mandados são para as cidades de Campo Grande, Naviraí, Dourados, Itaquiraí, Ivinhema, Nova Andradina, Bataiporã e Angélica, todas em Mato Grosso do Sul, e na cidade de Cosmorama (SP).

Tudo o que sabemos sobre:
crimefraudereforma agráriaprojetosMS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.