Presos 16 acusados de fraudar o INSS no Pará

Agentes da Polícia Federal do Pará prenderam nesta sexta-feira 16 pessoas, a maioria funcionários do INSS no Estado, acusadas de envolvimento com uma quadrilha que estaria desviando mais de R$ 6 milhões dos cofres da Previdência com o pagamento de aposentadorias a pessoas já falecidas que residiam em três cidades da região nordeste do Estado. A chefe do posto do INSS em Castanhal, Maria Cícera da Silva Brito, foi presa em flagrante. Apesar dela ter negado a utilização de cartões bancários para efetuar saques das contas de mortos, mais de 50 cartões foram apreendidos na casa dela. "Eu não estava sacando nada de ninguém", disse. No município de Maracanã, a candidata a vereador Lourdes Monteiro Lima também foi presa. O esquema era comandado de dentro da agência do Instituto em Castanhal. O golpe contra os cofres públicos consistia em incluir no sistema de pagamento de benefícios os nomes de segurados que já morreram. Enquanto as pessoas eram presas, aposentados e pensionistas reclamavam do desaparecimento do dinheiro para pagar o auxílio-doença. "Vim receber e não tem nada", disse Maria da Conceição. Outra segurada informou que em sua conta havia apenas R$ 0,2.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.