Preso pela PF, Pitta já foi condenado à prisão em outro caso

Ex-prefeito de São Paulo foi preso nesta terça junto com Daniel Dantas, do banco Opportunity, e Naji Nahas

08 de julho de 2008 | 16h09

O economista e político Celso Pitta saiu do anonimato em 1996, quando Paulo Maluf (PP) o lançou candidato à Prefeitura de São Paulo para sucedê-lo. À época, era proibida a reeleição. Uma vez eleito, Pitta, que foi secretário de Finanças de Maluf, administrou uma gestão marcada por denúncias de corrupção, denunciadas por sua ex-mulher, Nicéa Pitta.  Veja também:Escutas: Nahas dava dinheiro a Pitta Dantas ofereceu suborno de US$ 1 milhão para escapar da prisão, diz MPLeia a íntegra da nota do Ministério Público Federal  Imagens da Operação Satiagraha Opine sobre a prisão de Dantas, Nahas e Pitta  PF prende Daniel Dantas, Naji Nahas e Celso PittaDaniel Dantas, pivô da maior disputa societária do Brasil Entenda o nome da Operação Satiagraha, que prendeu DantasEntenda as acusações contra Dantas e NahasOs 40 do mensalão Ao terminar o mandato, o ex-prefeito era réu em 13 ações civis públicas. O valor das denúncias chegou a R$ 3,8 bilhões. A dívida paulistana passou na sua gestão de R$ 8,6 bilhões em 1997 para R$ 18,1 bilhões. Em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito do Banestado, em 2004, foi preso por desacato à autoridade, ao discutir com o senador Antero Paes de Barros. Em 2006, o Ministério Público do Estado de São Paulo pediu, por meio de ação cível por má administração pública, a devolução de R$ 11,8 milhões aos cofres da prefeitura paulistana. Em 2008, a Justiça Federal considerou Pitta culpado pelo "escândalo dos precatórios", imputando-lhe uma pena de 4 anos de prisão. Foi preso pela Polícia Federal em 8 de julho, durante uma operação contra corrupção, desvio de verbas públicas e lavagem de dinheiro.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.