Preso mais um suspeito da chacina de sem-terra

A Polícia Civil de Minas Gerais prendeu nesta quinta-feira mais um suspeito de envolvimento na chacina de cinco integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), em Felisburgo, no último dia 20. O vaqueiro Washington Agostinho da Silva, de 31 anos, foi preso no município de Pedra Azul, a 720 quilômetros de Belo Horizonte, onde Adriano Chafik Luedy, 37 anos, é dono da Fazenda Argentina. Chafik está preso como suspeito de ser o mandante e um dos executores dos crimes.De acordo com o delegado Sérgio da Silva, o suspeito trabalha há quase oito anos para o fazendeiro e no depoimento contou detalhes sobre a ação no acampamento Terra Prometida. O vaqueiro relatou que no último dia 15 foi levado por Chafik para trabalhar na Fazenda Nova Alegria. Lá tomou conhecimento que o plano do fazendeiro era contratar jagunços na Bahia para "dar um susto" e "espantar" os sem-terra do local.Segundo o delegado, Washington confirmou detalhes que já tinham sido apurados durante as investigações. De acordo com o seu depoimento, o grupo que chegou ao acampamento em uma van vermelha era formado por 13 homens. Eles teriam se reunido com Chafik antes da ação contra os sem-terra e cada um recebeu uma arma.O vaqueiro confirmou que a intenção do grupo era soltar o gado para destruir a plantação e queimar os barracos dos sem-terra. Ele disse também que o conflito foi deflagrado depois que o fazendeiro foi atingido por um golpe de foice dado pelo acampado Miguel José dos Santos, que foi morto a tiros. O primeiro foi disparado por Chafik e atingiu a perna da vítima.De acordo com o delegado, após a operação no acampamento, o grupo fugiu na caminhonete Toyota do fazendeiro, com destino a Pedra Azul. O mandado de prisão contra o vaqueiro foi expedido na tarde desta quinta-feira pela Juíza de Jequitinhonha, para onde ele deverá ser transferido nesta sexta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.