Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Preso mais um sem-terra acusado por morte em PE

Outros dois membros do MST, que teriam feito disparos, seguem foragidos

Angela Lacerda, O Estadao de S.Paulo

12 de março de 2009 | 00h00

A polícia prendeu ontem Severino Alves da Silva, o terceiro integrante do Movimento dos Sem-Terra (MST) suspeito de ter participado da morte, a tiros, de quatro seguranças da Fazenda Jabuticaba, no último dia 21, em São Joaquim do Monte, no agreste pernambucano.Outros dois, apontados como os autores dos disparos - Antonio Honorato da Silva e um identificado apenas como Romero -, continuam foragidos. Todos estão com prisão preventiva decretada.De acordo com o delegado Luciano Francisco Soares, Severino foi localizado na casa onde mora no município vizinho de Agrestina, a 27 quilômetros do local do crime. Com ele a polícia encontrou - e apreendeu - uma moto verde que teria sido usada na perseguição de dois dos seguranças mortos. A operação que culminou na prisão do sem-terra teve a participação de 45 policiais civis e 40 policiais militares.Severino foi encaminhado, depois de fazer exame de corpo de delito, ao presídio de Caruaru, no agreste, onde se encontram os dois sem-terra presos em flagrante no dia da chacina: Aluciano Ferreira dos Santos e Paulo Alves Cursino.ALVOA Fazenda Jabuticaba foi alvo de nove reocupações nos últimos cinco anos e começou a ser vistoriada nesta semana pelo Incra, depois de um acordo com o ouvidor agrário nacional, Gercino Silva. Os herdeiros da propriedade afirmam que sua área é de 247 hectares - o que a torna imune à reforma agrária -, enquanto o MST afirma que ela tem cerca de 800 hectares (passível de desapropriação, se improdutiva).As mortes ocorreram depois da saída dos sem-terra da área, por força de reintegração de posse, quando cinco seguranças da fazenda teriam ido reaver fotos tiradas pelos trabalhadores em que eles apareciam armados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.