Evaristo Sá/AFP
Evaristo Sá/AFP

Preso em Salvador, Geddel é transferido para superintendência da PF em Brasília

No pedido enviado à Justiça, PF e MPF sustentam que ex-ministro aliado de Temer tem agido para atrapalhar as investigações

Dida Sampaio, O Estado de S.Paulo

04 de julho de 2017 | 09h43

O ex-ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima, preso nesta segunda-feira, 3, em Salvador, foi transferido para Brasília na madrugada e está detido na Superintendência da Polícia Federal (PF).

Geddel, que é amigo e ex-ministro do presidente Michel Temer, foi preso preventivamente no âmbito da Operação Cui Buono?, que investiga supostas práticas criminosas na liberação de créditos e investimentos por parte de duas vice-presidências da Caixa. No pedido enviado à Justiça, a PF e o Ministério Público Federal sustentam que Geddel tem agido para atrapalhar as investigações. O objetivo seria evitar que o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, e o próprio Lúcio Funaro firmem acordo de colaboração. 

A prisão foi baseada nos depoimentos do operador Lucio Funaro e do empresário e delator Joesley Batista no âmbito da Cui Bono e atende a pedido da Polícia Federal e da Força-Tarefa Greenfield – que também é responsável pelas operações Sépsis e Cui Bono.

A prisão de Geddel, um amigo pessoal de Temer há mais de 30 anos, reacendeu a preocupação com a crise política, uma vez que a semana havia começado em um clima mais “tranquilo”, nas palavras de um aliado. O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, na sexta-feira, devolver as funções parlamentares de Aécio Neves (PSDB-MG) ao Senado e soltar o ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR). O Planalto avaliava, então, que poderia se concentrar nas articulações com a base para ter voto suficiente na Câmara para barrar a denúncia por corrupção passiva apresentada por Janot contra Temer. 

O Palácio do Planalto agora se preocupa com possíveis investidas do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, sobre os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral). Investigados na Operação Lava Jato, eles são os auxiliares mais próximos do presidente Michel Temer. A Procuradoria-Geral da República (PGR) pode agora tentar acelerar as apurações contra os dois peemedebistas, na avaliação de assessores do Planalto. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.