Evaristo Sá/AFP
Evaristo Sá/AFP

Preso em Salvador, Geddel é transferido para superintendência da PF em Brasília

No pedido enviado à Justiça, PF e MPF sustentam que ex-ministro aliado de Temer tem agido para atrapalhar as investigações

Dida Sampaio, O Estado de S.Paulo

04 de julho de 2017 | 09h43

O ex-ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima, preso nesta segunda-feira, 3, em Salvador, foi transferido para Brasília na madrugada e está detido na Superintendência da Polícia Federal (PF).

Geddel, que é amigo e ex-ministro do presidente Michel Temer, foi preso preventivamente no âmbito da Operação Cui Buono?, que investiga supostas práticas criminosas na liberação de créditos e investimentos por parte de duas vice-presidências da Caixa. No pedido enviado à Justiça, a PF e o Ministério Público Federal sustentam que Geddel tem agido para atrapalhar as investigações. O objetivo seria evitar que o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, e o próprio Lúcio Funaro firmem acordo de colaboração. 

A prisão foi baseada nos depoimentos do operador Lucio Funaro e do empresário e delator Joesley Batista no âmbito da Cui Bono e atende a pedido da Polícia Federal e da Força-Tarefa Greenfield – que também é responsável pelas operações Sépsis e Cui Bono.

A prisão de Geddel, um amigo pessoal de Temer há mais de 30 anos, reacendeu a preocupação com a crise política, uma vez que a semana havia começado em um clima mais “tranquilo”, nas palavras de um aliado. O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, na sexta-feira, devolver as funções parlamentares de Aécio Neves (PSDB-MG) ao Senado e soltar o ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR). O Planalto avaliava, então, que poderia se concentrar nas articulações com a base para ter voto suficiente na Câmara para barrar a denúncia por corrupção passiva apresentada por Janot contra Temer. 

O Palácio do Planalto agora se preocupa com possíveis investidas do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, sobre os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral). Investigados na Operação Lava Jato, eles são os auxiliares mais próximos do presidente Michel Temer. A Procuradoria-Geral da República (PGR) pode agora tentar acelerar as apurações contra os dois peemedebistas, na avaliação de assessores do Planalto. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.