Presidente vê ''bons pizzaiolos'' no Senado

Casa reage a declarações de Lula e barra reeleição de diretor da ANA

Tânia Monteiro, Eugênia Lopes e Lisandra Paraguassú, O Estadao de S.Paulo

16 de julho de 2009 | 00h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva atacou a oposição ao ser indagado sobre a CPI da Petrobrás, chamou os senadores de "pizzaiolos", disse que a instalação dos trabalhos da comissão foi "gesto de irresponsabilidade" e provocou confusão no Senado, onde a reação às suas palavras foi imediata. Em votação secreta, os senadores rejeitaram por 30 votos a 20 a recondução de Bruno Pagnoccheschi como diretor da Agência Nacional de Águas (ANA), um técnico especialista no setor.  Veja também: Aliado de Renan preside conselho Duque atuou como defensor e 'porta-voz' de Sarney Deputado do castelo escapa de punição "Na verdade, a CPI pode ser muito interessante para quem quer fazer um carnaval, mas, para quem quer investigar seriamente, precisa ter outros mecanismos", declarou Lula, em entrevista, após empossar o novo presidente da Embrapa, Pedro Arraes. Indagado sobre argumentos da oposição de que a CPI poderia acabar em pizza, temperada com o pré-sal, Lula aproveitou para atacar. "Depende. Todos eles são bons pizzaiolos", disse.No meio da confusão, o líder do PT, Aloizio Mercadante (SP), divulgou nota contestando Lula. "É uma frase infeliz que não expressa o que o presidente efetivamente pensa e o respeito que tem por esta Casa e pelos senadores como integrantes de um dos pilares da República e da democracia." Antes de chamar os senadores de "pizzaiolos", Lula havia admitido ter mágoas da oposição, que, segundo ele, foi "irresponsável" e rejeitou a CPMF. O senador Cristovam Buarque (PDT-DF) apresentou requerimento à Mesa Diretora do Senado para que sejam pedidas explicações a Lula. "Não é possível que a gente tenha o presidente da República chamando os senadores de pizzaiolos", afirmou Cristovam, ao observar que Lula estaria apenas tentando se somar ao que pensa a opinião pública, sem "fazer nada para ajudar o Senado". Álvaro Dias (PSDB-PR) foi outro que reclamou. Ele afirmou que o presidente "é o maior pizzaiolo do País", uma vez que não puniu nenhum de seus assessores envolvidos em escândalos. Demóstenes Torres (DEM-GO) reforçou a tese. "O Senado se transformou em uma verdadeira fábrica de pizza. Tem razão o presidente da República, ele ajudou a transformar o Senado em uma fábrica de pizza. Aliás, é o principal protagonista." A primeira reunião da CPI da Petrobrás só vai ocorrer em 6 de agosto, na volta do recesso. Com o controle de 8 do total de 11 votos da comissão, o governo está preparado para usar sua tropa de choque e não deixar que as investigações avancem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.