Presidente sugere a Dilma banho de cultura popular

Ideia é mostrar ministra como ?mulher comum?, capaz de traduzir números, cifras e dados para dia a dia do eleitor

Vera Rosa e Marcelo de Moraes, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

14 de março de 2009 | 00h00

A chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, foi orientada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva a mostrar seu lado de "mulher comum", que tanto vai ao carnaval quanto à missa."Mergulhe na cultura popular", disse Lula à ministra. Na prática, o presidente quer que ela traduza números, cifras e dados sobre infraestrutura para o cotidiano do eleitor.Não é à toa que, desde o carnaval, quando esteve em Pernambuco, ela tem aberto brechas na agenda para compromissos populares e vai começar a aparecer em programas de grande audiência, no rádio e na TV. Fã de Hebe Camargo, a ministra mandou flores para a apresentadora, que na semana passada fez 80 anos. Dias antes, compareceu à missa do padre Marcelo Rossi: levantou as mãos para o alto, bateu palmas, tentou acompanhar o coro dos fiéis e ganhou fitas de Nossa Senhora Desatadora dos Nós.Lula também recomendou a Dilma que não ingresse em nenhuma corrente do PT. A ordem é ser simpática com todas as tendências, para não causar ciumeira. Depois de se dedicar a conversas reservadas com políticos do antigo Campo Majoritário - integrado por Lula - e com a ala da ex-prefeita Marta Suplicy, Dilma comparecerá agora ao encontro da Mensagem ao Partido, previsto para os dias 21 e 22, no Rio.Capitaneado pelo ministro da Justiça, Tarso Genro - que sempre torceu o nariz para a candidatura de Dilma -, o grupo lançará um manifesto de apoio à campanha da petista, a exemplo do que já fez a turma de Marta.Apesar das críticas da oposição, Dilma diz que continuará viajando para vistoriar as obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), carro-chefe de sua campanha ao Planalto. "Que campanha? Campanha aqui é zero na quinta casa", desconversa. "Fui para a cozinha, descasquei batata, fiz a comida, lavei o chão e na hora de servir o prato principal sou expulsa? Assim não dá." Detalhe: embora aprecie a gastronomia e saboreie omelete de queijo todo fim de tarde, no Planalto, Dilma não tem dotes culinários.CRISE: PALOCCIA notícia da queda de 3,6% no PIB do quarto trimestre do ano passado não alterou o programa de exposição pública da ministra. "Essa queda do PIB já era prevista. Como poderia ser diferente? O mundo desabou no fim do ano", avalia o deputado e ex-ministro da Fazenda, Antônio Palocci (PT-SP), não vendo constrangimentos de nenhuma natureza para o governo. "Mas acho que a recuperação desse quadro já pode começar a aparecer nos próximos meses."Os problemas, avaliam deputados petistas que têm acompanhado a ministra em atividades no interior do País, só vão aparecer se o desemprego disparar e houver uma brutal redução de crédito nos próximos meses. "Mesmo assim, qual é a culpa que a ministra Dilma tem se houver desemprego? Existe uma crise internacional muito grave e o governo tem reconhecidamente enfrentado muito bem essa situação", diz o deputado Sérgio Carneiro (PT-BA).Um reflexo da crise que poderia prejudicar negativamente a imagem da ministra seria a necessidade de o governo rever os aumentos para categorias de servidores públicos. Nos reajustes aprovados em 2008 por uma medida provisória foi incluído um dispositivo que permite a revisão desses aumentos. Agora, diante do recrudescimento da crise, a proposta de recuo nos aumentos já está sendo analisada pelo governo. O problema é o impacto negativo que uma medida como essa teria sobre a imagem do governo e, naturalmente, sobre a candidatura de Dilma. De acordo com interlocutores do presidente Lula, a ministra já teria se manifestado contra a proposta de congelamento do aumento dos servidores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.