Presidente se compara a Ronaldo

?Quem vier depois de nós vai ter de fazer muito mais?, afirma Lula

Alexandre Rodrigues, VITÓRIA, O Estadao de S.Paulo

07 de março de 2009 | 00h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva se comparou ontem ao jogador de futebol Ronaldo ao dizer que deixará para o sucessor a difícil tarefa de superar suas realizações."Tenho a convicção de que nós passaremos para a História deixando um legado para a sociedade brasileira. Quem vier depois de nós vai ter de fazer muito mais do que nós. Ou seja, depois que o Ronaldão marcar uns gols no Corinthians, o centroavante que vier depois dele vai ter de fazer mais do que ele. Agora, se ele não marcar nenhum, quem vier depois dele não tem parâmetro, não tem paradigma", discursou Lula em Linhares, no norte do Espírito Santo. Ele incluiu o governador capixaba, Paulo Hartung (PMDB), no autoelogio. "Quem vier depois do Hartung e quem vier depois de mim... eles sabem que vão ter que trabalhar e fazer muito para, pelo menos, chegar perto do que nós fizemos."Ao chegar a Vitória na noite de quinta-feira, o presidente iniciou uma série de quebras de protocolo para ter contato com admiradores que cercavam o hotel onde se hospedou. Usando camisas de mangas curtas nos dois dias, ele se aproximou também da população nos eventos a que compareceu, tirando fotos com muita paciência, distribuindo beijos e abraços, recebendo bilhetinhos e fazendo brincadeiras."O Brasil nunca teve o hábito de um presidente ter contato direto com o povo de seu País. Isso possibilitou, ao longo dos anos, que se criasse uma distância entre quem governa e os governados", discursou o presidente, pela manhã durante o lançamento do programa Território da Paz no bairro São Pedro, na periferia de Vitória.Lula disse preferir a palavra "cuidar" em vez de governar e definiu seu estilo como o de quem não tem medo de conversar com pessoas comuns ou tocá-las. "Na campanha eleitoral, todo político adora pobre. Mas depois só janta com banqueiro, empresário. Não tem foto de político jantando com pobre, indo a casamento de pobre", discursou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.