Presidente reclama de ''pirotecnia'' da PF

Policiais ouviram queixas em evento que marcou aniversário do órgão

Leonencio Nossa e Vannildo Mendes, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

27 de março de 2009 | 00h00

O governo quer menos "pirotecnia" nas operações da Polícia Federal e do Ministério Público, e os delegados e agentes devem ficar longe da vida político-partidária e dos holofotes da mídia, sem ceder à tentação de quebrar o sigilo das investigações. A ordem foi dada ontem pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva aos próprios policiais, na presença do ministro Tarso Genro (Justiça) e do chefe da Polícia Federal, Luiz Fernando Correa, no dia seguinte à deflagração da Operação Castelo de Areia, que prendeu quatro executivos da empreiteira Camargo Corrêa."Tem gente que acha que pode virar importante aparecendo na capa de jornal, se der entrevista para televisão, se fizer uma pirotecnia ou der entrevista para rádio", afirmou o presidente, em evento comemorativo aos 65 anos da PF. "Na vida da gente, a única coisa importante que vale a pena é ser olhado pelos outros como o justo, como aqueles que agiram corretamente e não tentaram tirar proveito da autoridade de um policial ou de alguém do Ministério Público", acrescentou.O presidente já manifestou incômodo com o desempenho do delegado Protógenes Queiróz, que chefiou a Operação Satiagraha e está sendo investigado pela corregedoria da PF por suspeita de abuso de autoridade. Lula disse que o papel da PF é "sagrado para a segurança do País" e, por isso, a polícia deve ficar longe da mídia. Em tom de brincadeira, aconselhou: "Deixem nós, políticos, aparecermos na televisão, porque nós abrimos a geladeira para tomar água e já damos entrevista achando que é a televisão. Ligamos o barbeador e damos outra entrevista, pensando que é um microfone."As queixas do presidente acabaram com o clima de festa no aniversário da PF. Alegando falta de tempo, Lula ordenou que não fossem apresentadas bandas de música ou cantado o hino da instituição durante o evento. Quis deixar claro, segundo pessoas próximas dele, que o momento era de cobrança.No estilo "morde e assopra", Lula lembrou que a PF é uma das instituições mais bem avaliadas pelas pesquisas de opinião. "O Brasil deve se orgulhar do Ministério Público que tem, da Polícia Federal que tem", disse. ''A verdade é que nem todo o Judiciário, nem o Ministério Público, nem a PF precisam disso (pirotecnias)."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.