Presidente lança Meirelles a governador de Goiás

Em entrevista a rádios de Anápolis, declara que Estado só teria a ganhar sob o comando do presidente do BC

Vannildo Mendes e Tânia Monteiro, ANÁPOLIS, O Estadao de S.Paulo

14 de agosto de 2009 | 00h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva mesclou ontem sua agenda de inaugurações com um plano político e lançou o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, como opção ao governo de Goiás. Em entrevista a rádios de Anápolis, terra natal de Meirelles, durante inspeção a um trecho da Ferrovia Norte-Sul, Lula fez elogios ao presidente do BC, a quem disse ser grato pela "estabilidade econômica e credibilidade do Brasil perante o mundo". Para o presidente, Goiás só terá a ganhar se Meirelles governar o Estado. "Goiás vai ter um administrador excepcional, porque o Meirelles é muito competente", elogiou. Indagado se abriria mão dele no governo para que disputasse a eleição, Lula foi enfático: "Acho que Meirelles já tem serviço inestimável prestado ao País, a seriedade com que ele construiu a economia brasileira junto com a equipe econômica." Tímido, Meirelles, que está sem partido, recebeu os elogios com sorriso discreto. Entre os aliados, ele comentou que deve se filiar a um partido até o final de setembro. "Em relação à candidatura, como foi mencionado pelo presidente, não é uma decisão tomada. Vamos decidir, até setembro, se haverá ou não a filiação a um partido político e, até março, se seremos candidato a algum cargo eletivo", disse Meirelles, que esteve ao lado do presidente. "Fico feliz com as palavras do presidente. Ele foi generoso. É um reconhecimento do nosso trabalho, do nosso esforço de reduzir a inflação, de promover a estabilidade. Mas não é uma decisão tomada." Lula recomendou uma ampla aliança de líderes goianos, com a participação do atual governador, Alcides Rodrigues (PP), para que não haja riscos. "Ele não pode ser candidato para perder as eleições", enfatizou. "Precisamos construir uma aliança capaz de garantir a vitória, são muitos os cargos em jogo. É governador do Estado, vice-governador, senadores, quer dizer, tem cargos para construir, para contemplar os partidos que estão na base." PASSADOO presidente lembrou que os dois se conheceram há mais de 15 anos, quando o presidente do Banco Central ainda era um alto executivo do Banco de Boston e já pensava em seguir carreira política, no que foi desaconselhado pelo líder petista. Ele relatou ainda que ficou chocado, anos depois, ao ver Meirelles eleito deputado pelo PSDB de Goiás.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.