Carlos Villalba Racines/EFE
Carlos Villalba Racines/EFE

Presidente interino tenta antecipar depoimento de Vaccari na CPI da Petrobrás

Proposta do deputado tucano Antônio Imbassahy causou bate-boca na comissão; decisão final sobre a data será do presidente Hugo Motta (PMDB), que está em viagem pela Itália

Daniel Carvalho e Daiene Cardoso, O Estado de S. Paulo

31 de março de 2015 | 17h31

Atualizado às 20h05

Brasília - A data do depoimento do tesoureiro nacional do PT, João Vaccari Neto, à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobrás na Câmara causou nesta terça-feira, 31, bate-boca entre deputados governistas e oposicionistas. A proposta do primeiro-vice-presidente da CPI, Antônio Imbassahy (PSDB-BA), de ouvir Vaccari Neto no dia 9 motivou a reação dos petistas. Imbassahy presidiu a sessão desta terça, já que o presidente Hugo Motta (PMDB-PB) está na Itália em viagem pessoal.

Marcada para o dia 9, uma vez que o presidente tem poder para decidir sobre o calendário de forma monocrática, a data ainda será discutida com Motta quando ele retornar ao País, no dia 7. Para o relator da comissão, Luiz Sérgio (PT-RJ), a "pressa" do primeiro-vice-presidente da CPI da Petrobrás para convocar o tesoureiro nacional do PT se deve às manifestações contra o governo marcadas para o dia 12 em todo o Brasil.

"Acho que o atropelo é para obedecer a uma lógica política. Essa CPI, com objetivo de investigar, não pode se submeter a pautas externas. Essa modificação, ao meu ver, obedece a essa lógica", afirmou. Sérgio disse que havia combinado com o presidente da CPI, por mensagem de celular na noite desta segunda-feira, 30, que Vaccari Neto viria em 23 de abril. Num primeiro momento, a assessoria de Motta confirmou o dia, mas depois recuou.

Pelo calendário apresentado por Imbassahy, o empresário Augusto Mendonça, do Grupo Toyo Setal, será ouvido no dia 14. O relator da CPI tentou inverter as datas, mas não obteve sucesso. No dia 7, será tomado o depoimento do novo diretor de Gás e Energia da PetrobráPresidens, Hugo Repsold. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.