Presidente do TSE diz que Justiça age mediante provocação

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Marco Aurélio de Mello falou hoje da preocupação com a compra de votos nas eleições gerais deste ano. Em entrevista à rádio OAB, o ministro disse que a Justiça Eleitoral não conta com fiscal, mas age mediante provocação. "É importante que o Ministério Público esteja atento e candidatos e partidos prejudicados venham à Justiça e denunciem a situação, para chegarmos à responsabilidade de quem de direito, mediante a configuração do abuso do poder econômico", reiterou.Na entrevista, Marco Aurélio de Mello defendeu também uma campanha nacional destinada a combater o voto nulo. Na sua avaliação, a contribuição da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) à campanha é muito importante. E citou também a campanha dessas duas entidades para o combate à corrupção eleitoral.Segundo ele, essa iniciativa contribuiu para uma conscientização maior do eleitor quanto à importância do próprio voto, quanto ao fato de comparecer conscientizado às urnas. Para o presidente do TSE, o voto nulo não é a forma correta de se protestar. "A forma correta de se insurgir contra certas situações é o voto conscientizado", emendou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.