Presidente do TSE dá prazo para Chinaglia demitir 'infiel'

Carlos Ayres Britto disse que já falou sobre cassação de Walter Brito Neto com Chinaglia por três vezes

Mariângela Gallucci, de O Estado de S.Paulo

14 de novembro de 2008 | 19h50

Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) enviaram sinais de que atuarão em "parceria" com o DEM para pôr fim a rebeldia do presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT). Diante da resistência da Câmara em cassar o deputado infiel Walter Brito Neto (PRB-PB), como ordenou o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministros consultados pelo Estado disseram que basta ao DEM entrar com um mandado de segurança na Corte para o conflito ser decidido em favor do Judiciário.  Leia a íntegra da da reportagem na edição deste sábado, 15, de O Estado de S.Paulo Em mais um capítulo da crise entre os Poderes, o presidente do TSE, Carlos Ayres Britto, enfrentou o presidente da Câmara. O ministro reafirmou que deu prazo para a perda de mandato de Brito e retrucou a grosseria de Chinaglia. Na véspera, o presidente da Câmara disse que Ayres não presidia o Judiciário e, portanto, não poderia dirigir comandos ao Legislativo. "Como eu, ele também não é presidente de Poder", disse o ministro.  "A decisão era para ser executada", disse Ayres Britto. "Quando eu me referi à decisão tomada pelo TSE sobre decretação de perda de mandato, falei publicamente sobre um processo público", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.