Presidente do TSE cogita investigar alta abstenção

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Carlos Ayres Britto, considerou ontem alto o porcentual de abstenção no segundo turno. Às 21 horas, a informação disponível era de que a abstenção em todo o País tinha sido de cerca de 18%. O caso mais relevante foi o do Rio, onde 20,25% dos eleitores deixaram de votar no segundo turno.Segundo Ayres Britto, se esse índice se confirmar, o tribunal investigará por que tantos eleitores deixaram de ir às urnas. No Rio, o governo do Estado antecipou do dia 28, terça-feira, para hoje o ponto facultativo pelo Dia do Servidor Público. O objetivo dessa decisão, para alguns analistas, era formar um feriadão que incentivasse os cariocas a viajar, o que estimularia especialmente a abstenção do eleitorado de classe média, segmento em que, segundo as pesquisas, Fernando Gabeira tinha melhor desempenho que o candidato apoiado pelo governador Sérgio Cabral. O governo do Rio chegou a divulgar nota oficial dizendo que essa crítica era "fantasiosa". De maneira geral, um dos motivos para a grande abstenção cogitado por Ayres Britto foi o excesso de chuvas no Sul do País. No primeiro turno, a abstenção foi de 14,54%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.