Presidente do TJ paulista defende direito de greve dos juízes

O presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, Sérgio Nigro Conceição, afirmou hoje que os magistrados têm liberdade para entrar em greve, se assim o quiserem. Entretanto, o TJ "jamais poderia ser favorável à realização de uma greve e jamais a aprovaria". Eventuais conseqüências de um movimento dessa espécie serão apreciadas oportunamente pelo Conselho Superior da Magistratura e pelo órgão especial do tribunal paulista.Nigro declarou ser contra a reforma previdenciária nos termos em que foi proposta. Sua crítica é em relação ao fato de que um juiz substituto federal passaria a ganhar mais do que um juiz substituto estadual. ?O fato criaria desincentivo ao ingresso na carreira e o desmantelamento da Justiça estadual", avalia.O desembargador afirmou que se ocorrer greve será convocada, em Brasília, uma reunião de todos os presidentes dos tribunais de Justiça para discussão do assunto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.