Presidente do Supremo diz que violação se sigilo afronta a Constituição

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Nelson Jobim, classificou como uma "afronta à Constituição "a quebra do sigilo bancário do caseiro Francenildo Costa, na última sexta-feira. "Foi uma lesão ao direito individual", disse Jobim lembrando que a Constituição garante o direito ao sigilo bancário. O que ocorreu, para o presidente do Supremo, "tem que ser evitado a qualquer custo". "Não podemos conviver com este tipo de situação, porque senão isso não pára", disse. O Ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos prometeu hoje que a violação será apurada. "Estou chegando de Rondônia e me inteirando do caso", afirmou. Segundo ele, serão feitos esforços para esclarecer o que ocorreu.A divulgação ilegal do extrato bancário pôs em xeque a Polícia Federal e o Ministério da Fazenda, já que os registros da conta do caseiro na Caixa Econômica Federal(CEF) foram acessados sem o consentimento dele, exatamente no horário em que o rapaz estava na Polícia Federal tratando de sua proteção pessoal: às 20h58 de quinta-feira passada, no dia 16. O caseiro desmentiu, em entrevista ao Estado, a versão do ministro da Fazenda Antonio Palocci sobre sua relação a "república de Ribeirão".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.