Presidente do STF pede que juízes não façam greve

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Maurício Corrêa, divulgou nota pedindo aos juízes que revejam suas posições e não façam greve em protesto contra a reforma da Previdência. Na nota, Maurício Correa afirma que a proposta ainda está em negociação no Congresso. Ele acrescentou que confia que os parlamentares farão reflexões e que a magistratura conseguirás reverter pontos negativos para a carreira, como a fixação dos salários dos desembargadores estaduais em 75% ao que é pago aos ministros do Supremo. Os juízes querem que este porcentual seja de 90%. É a seguinte a íntegra da nota divulgada pelo presidente do STF:"Não é se utilizando da greve que os magistrados devem fazer prevalecer os seus direitos quanto às questões ora em debate na reforma da Previdência. Por constituírem uma carreira típica de estado tornam-se, com tal procedimento, juízes de suas próprias decisões. Estamos ainda no limiar das discussões no foro competente, que é a Câmara dos Deputados. Continuo confiando que os pontos básicos que afligem o Poder Judiciário - o subteto nos estados e o destino da carreira - estejam presentes nas reflexões de nossos parlamentares e que a situação seja revertida no processo livre de votação e aprovação do texto da Reforma. Concito os magistrados que optaram pela greve a que revejam sua posição e suspendam o ato programado. É o apelo que faço".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.