Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Presidente do Senado sai em defesa de Bebianno sobre crise com o governo

Davi Alcolumbre (DEM-AP) afirmou que o ex-presidente do PSL não tinha a 'obrigação' de acompanhar 'tantas candidaturas' no País

Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2019 | 22h06
Atualizado 15 de fevereiro de 2019 | 12h17

BRASÍLIA - O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), saiu em defesa nesta quinta-feira, 14, do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, que pode ser um dos alvos de um inquérito para apurar suspeitas de desvios de recursos do Fundo Partidário destinados ao PSL por meio de supostas candidaturas laranjas nas eleições de 2018. Bebianno presidiu o partido durante o período eleitoral. Alcolumbre disse que Bebianno não tinha "obrigação" de acompanhar "tantas candidaturas" no País.

"Eu tenho acompanhado pelo imprensa. Prestei atenção em uma parte da entrevista do ministro Bebianno em relação ao partido. Eu acho que conduzir mesmo um Brasil com tantas candidaturas não era obrigação do ministro Bebianno. Não sou advogado dele, não estou aqui para defender o ministro, mas acho que é uma questão partidária. O PSL vai ter que falar sobre isso", afirmou.

Ainda assim, Alcolumbre não seguiu o discurso do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e minimizou os impactos da crise no Parlamento, em meio à chegada da reforma da Previdência no Congresso.

"Eu não vejo assim", disse quando questionados sobre os efeitos do escândalo na reforma da Previdência. "A questão do ministro Bebianno é uma questão de governo. Ele foi nomeado pelo presidente da República, não foi por um senador ou por um deputado. Não é uma coisa do Parlamento", disse.

O presidente do Senado também não quis tratar a crise como um problema do Palácio do Planalto, chamou o caso de "problema de relação pessoal". "Eu acho que isso é um problema do governo, não é um problema do Senado, minha opinião pessoal. Acho que é um problema de relação pessoal familiar. E o governo tem que decidir esse problema. Esse problema não foi criado pela Câmara e pelo Senado", disse. 

Para Entender

A crise entre Bebianno e a família Bolsonaro em 7 pontos

Caso tem origem em suspeitas de financiamento de candidaturas laranjas e nas desavenças entre o ministro e o filho do presidente. Clique aqui e entenda a tensão entre o presidente Jair Bolsonaro e seu ministro da Secretaria-Geral da Presidência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.