Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Presidente do PT reforça advertência a Luciana Genro

O presidente nacional do PT, José Genoino, reforçou as críticas à deputada Luciana Genro (PT-RS), mandando o seguinte recado de advertência: "O partido não aceita que um parlamentar faça juízo da legenda e use a nossa estrela, nossa bandeira e o nosso número para criticar o próprio PT ou o nosso governo". A declaração de Genoino foi em resposta à afirmação de Luciana, de que o PT não é mais um partido de esquerda, mas sim de centro. A parlamentar é alvo de processo na Comissão de Ética da legenda por se posicionar contra propostas do governo."Com a mesma legitimidade que ela emite essa opinião em relação ao PT, ela pode escolher um outro caminho para fazer crítica ao PT", reagiu Genoino. "Discordo radicalmente dessa opinião", acrescentou.O presidente nacional do PT garantiu que o PT está sendo "tolerante e paciente" em relação aos radicais da legenda. Além de Luciana, o deputado João Batista de Araújo (PT-PA) e a senadora Heloísa Helena (PT-AL) também são alvo de processos na Comissão de Ética. O parlamentar João Fontes (PT-SE) é considerado "réu confesso" e, por isso, seu caso foi encaminhado direto para análise em reunião do Diretório Nacional de setembro.Genoino disse também que o PT não abre mão de que sua bancada acate as decisões do partido. "Se estamos no partido por uma opção voluntária, temos de votar todos juntos", avisou. Segundo ele, o PT é pluralista, faz debate e aceita crítica. Mas, de acordo com ele, não é possível discordar do pacto partidário. "O debate é livre, a crítica é pública e o direito de oposição é sagrado. Mas a unidade de ação é inegociável."O PT divulgou hoje pesquisa encomendada ao Ibope e feita com mil dos cerca de 400 mil filiados. Ela revela, por exemplo, que 80% dos entrevistados consideram o governo Lula bom ou ótimo. O levantamento também mostra que 60% dos ouvidos acreditam que os parlamentares radicais devem ser punidos pela direção petista. Questionado se a pesquisa legitima eventual expulsão deles, Genoino negou. "Ela não tem esse objetivo", garantiu.Outro ponto da pesquisa revela que na opinião dos filiados a próxima reforma a ser discutida pelo governo do PT deverá ser a Agrária. Segundo o Ibope, 38% dos ouvidos consideram o tema mais importante a entrar na pauta depois das reformas da Previdência e Tributária.

Agencia Estado,

07 de julho de 2003 | 17h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.