André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Presidente do PT procura Dilma para desfazer mal-estar

Presidente afastada ficou contrariada com declaração de dirigente petista sobre nova eleição; Lula e Berzoini tentam acalmar os ânimos

Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2016 | 02h28

BRASÍLIA - Vinte e quatro horas após ter classificado como “inviável” a proposta de um plebiscito sobre a antecipação das eleições, como defende Dilma Rousseff, o presidente do PT, Rui Falcão, telefonou para o ex-ministro da Secretaria de Governo Ricardo Berzoini. Queria desfazer o mal-estar provocado por suas declarações da véspera, já que a presidente afastada decidiu incluir a consulta popular na carta a ser enviada aos senadores, na próxima semana.

O presidente do PT não falou com Dilma, que ficou contrariada com a sua declaração. Berzoini, que hoje chefia a equipe da “pronta resposta” de Dilma, fez o meio de campo para tentar apaziguar os ânimos. Até o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entrou na operação para jogar água na fervura.

Quando Falcão ligou para Brasília, ontem, Dilma estava no Palácio da Alvorada com o assessor Giles Azevedo e o ex-titular da Previdência Carlos Gabas. A presidente afastada foi informada do telefonema por Berzoini.

Falcão também foi cobrado por dirigentes do PT logo após dizer a jornalistas, na quinta-feira, que descartava a ideia de antecipar as eleições de 2018, entrando em rota de colisão com Dilma. A proposta constará da Carta aos Brasileiros que ela deve divulgar no próximo dia 10, depois da primeira etapa da votação do impeachment, no plenário do Senado, marcada para terça-feira.

“Estou defendendo um plebiscito porque quem pode falar o que eu devo fazer não é nem o Congresso, nem uma pesquisa, ou qualquer coisa. Quem pode falar é o conjunto da população, que me deu 54 milhões e meio de votos”, afirmou Dilma, em recente entrevista à BBC Brasil. “Ela tem toda a razão. O PT não pode se acomodar e aceitar esse golpe. É isso que vai dividir o partido”, protestou o secretário de Formação Política, Carlos Árabe.

A estratégia da presidente afastada tem o objetivo de marcar posição no momento em que, no diagnóstico dos próprios petistas, o impeachment já é irreversível. Dilma, porém, ainda tenta transmitir a imagem de que pode conquistar apoio. Um projeto de plebiscito precisa passar pelo Congresso, onde o presidente em exercício Michel Temer tem hoje maioria de votos.

Relação tensa. Foi para dizer que manifestara opinião pessoal, pois o polêmico debate sobre antecipação de eleições só entrará na pauta do PT daqui a dez dias, que Falcão ligou ontem para Brasília. É no Alvorada que Dilma despacha desde 12 de maio, quando o Senado autorizou a abertura do impeachment. Ela soube da justificativa dada por Falcão, mas não se convenceu.

A tensão entre Dilma e a cúpula do PT aumentou nos últimos dias. Na terça-feira, ela disse que o partido precisa admitir erros, do ponto de vista ético, e passar por “uma grande transformação”. Antes, havia apontado o dedo para o PT ao afirmar que nunca autorizou caixa 2 em sua campanha. Após a delação do marqueteiro João Santana, Dilma destacou que a responsabilidade sobre os pagamentos para ele era da “tesouraria do partido”.

Apesar do discurso da resistência, a presidente afastada já começou a transportar algumas coisas para Porto Alegre, onde mora sua família. Mas ainda não mexeu nos livros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.