Presidente do PT diz que Lula participará da campanha de Haddad

O deputado estadual Rui Falcão disse que o ex-presidente vai entrar na disputa assim que se recuperar do tratamento iniciado na segunda-feira contra um câncer na laringe

Fernando Gallo, de O Estado de S.Paulo

01 de novembro de 2011 | 20h13

O presidente nacional do PT, deputado estadual Rui Falcão (SP), afirmou que "tudo indica" que o ministro da Educação, Fernando Haddad, será o candidato do PT na disputa à Prefeitura de São Paulo no ano que vem. Ele disse ainda que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva irá participar da campanha do ministro depois de se recuperar do tratamento iniciado na segunda-feira, 31, contra um câncer na laringe. "Tudo indica que ele (Haddad) será o nosso candidato, ele tem capacidade, tem interlocução e vai ter o apoio de todo o partido", afirmou, em conversa com jornalistas na capital paulista. "O presidente Lula, assim que se recuperar, participará da campanha dele também."

Rui Falcão também afirmou que a presidente Dilma Rousseff levou em consideração a importância da senadora Marta Suplicy (PT-SP) para o governo ao pedir para que a parlamentar desista da sua pré-candidatura à sucessão na Prefeitura. "A presidente Dilma fez o que achou mais conveniente, pedir para a Marta desempenhar o papel importante que ela tem no Senado como vice-presidente, como uma pessoa que tem liderança nacional e que poderá, inclusive, participar das campanhas do PT nacionalmente." Dilma deu o recado a Marta pouco antes de embarcar para Cannes, na França, onde participará da reunião de cúpula do G-20.

O parlamentar ainda comentou sobre a importância de Lula para o PT e minimizou o tempo que o ex-presidente se manterá afastado da legenda por conta do tratamento contra o câncer na laringe. "O PT é uma espécie de filho do Lula e continuará a ser bem cuidado durante este período", disse. "O Lula é uma pessoa que não faz falta ao PT, e sim ao Brasil inteiro e ao mundo pela liderança que mantém, pelo que representa e pelos eventos que têm produzido internacionalmente."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.