JF DIORIO /ESTADÃO
JF DIORIO /ESTADÃO

Presidente do PT defende volta de Lula em 2018

Rui Falcão e outros dirigentes do partido manifestaram apoio ao retorno do ex-presidente durante ato 'em defesa da democracia' realizado nesta terça-feira (14)

Ana Fernandes e Pedro Venceslau, O Estado de S. Paulo

15 de julho de 2015 | 08h44

SÃO PAULO - O presidente nacional do PT, Rui Falcão, assim como outros dirigentes do partido, defendeu na noite da última terça-feira (14) a volta do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2018, após Dilma Rousseff concluir seu mandato. "Sabe o que o pessoal diz no interior, quando você viaja para outros estados? Dizem 'olha, tudo isso que está acontecendo a gente até entende, que haja corrupção nós já estamos acostumados, o problema é impedir a volta do Lula em 2018, é disso que se trata. Porque a volta do Lula não é questão de messianismo, nem de salvação nacional é a continuidade de um projeto que precisa avançar'", disse.

Falcão participou de um ato "em defesa da democracia", ao lado de outros dirigentes petistas, políticos do PCdoB, do PDT, e de lideranças de movimentos sociais e sindicais. Além dele, o secretário de comunicação José Américo e o presidente paulista do PT Emídio de Souza também tinham feito referências à volta de Lula em 2018.

O dirigente, que esteve em reunião na tarde de terça-feira (14) com Lula, Dilma e ministros, disse que foi discutido no encontro a importância de manter a base do governo no Congresso unida, para assegurar um "julgamento decente no TSE e no TCU para que o mandato (de Dilma) não seja afetado". Ele argumentou porém que a articulação deve ir além de Brasília, com movimentos sociais. "Aqueles que podem garantir o mandato popular da presidenta Dilma é o povo brasileiro. Não só a esquerda, que é o núcleo desse movimento, mas também todas aquelas forças que tem interesse na defesa da democracia."

Comparação com Collor

Falcão se atrapalhou ao comparar a tentativa de setores da direita de derrubar Dilma com o impeachment de Fernando Collor de Melo. "Não se esqueçam companheiros e companheiras, que gritamos Fora Collor e gritamos fora FHC. E o ex-presidente Collor saiu da Presidência num processo legal, dentro da democracia, e é isso que eles pretendem fazer agora: expelir a Dilma dentro de um processo democrático."

Na sequência, Falcão emendou que a democracia brasileira é imperfeita, em grande parte, por causa do "monopólio da mídia", que a seu ver é o principal partido de oposição no País. "Nós temos uma democracia imperfeita ainda,

que queremos reformar e está regredindo, garantindo financiamento empresarial, reduzindo tempo de TV, reduzindo a participação mulheres na vida política, reduzindo a maioridade penal. Estamos perdendo sucessivamente, e é isso que precisamos reverter."

Enquanto outros oradores da noite abusaram dos termos golpe e golpismo, Falcão preferiu a argumentação de que a democracia brasileira está regredindo e de que é preciso fazer manifestações de rua e articulação política para defender o legado de inclusão social dos últimos 12 anos e meio de gestão petista no governo federal. Ele também voltou a reclamar do Judiciário, em referência ao que petistas chamam de "seletividade" da operação Lava Jato. E afirmou que é preciso ter cuidado com os "embriões de estado de exceção dentro do estado democrático de direito". 

Ainda em referência à Lava Jato, Falcão disse que está em curso um "movimento para paralisar o governo e prejudicar a economia", movimento esse que em sua visão precisa ser combatido.

Tudo o que sabemos sobre:
LulaRui Falcãoeleições 2018PT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.