André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Presidente do PSB diz que apoio a Temer 'nunca foi incondicional'

Sigla que votou pelo impeachment de Dilma Rousseff, contudo, descarta romper com o governo do peemedebista

Daiene Cardoso, O Estado de S. Paulo

12 Dezembro 2016 | 17h07

Brasília - O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, disse que a sigla não cogita a possibilidade de romper com o governo Michel Temer (PMDB). O dirigente lembra que a sigla apoiou o impeachment da presidente Dilma Rousseff e tem responsabilidade com o governo que sucedeu a petista, principalmente em um momento em que classificou como "delicado" para o Palácio do Planalto. No entanto, Siqueira avisou que o apoio não é irrestrito.

"Nosso apoio nunca foi incondicional. Nunca foi a governo nenhum", frisou Siqueira ao Broadcast Político. A declaração de Siqueira vem no momento em que parte dos parlamentares defendem a saída da base aliada do governo Temer.

Embora tenha o titularidade no Ministério de Minas e Energia, o PSB - que já não foi coeso na votação da PEC do teto na Câmara - agora avisou que vai obstruir a votação da admissibilidade da PEC da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça. O dirigente diz que o partido não quer desestabilizar o governo e que a saída agora seria uma "irresponsabilidade". "O momento exige cautela e responsabilidade", declarou.

Siqueira explicou que a posição de obstrução da bancada se deve à necessidade de a bancada aprofundar as discussões sobre a reforma da Previdência. "Não temos necessariamente de apoiar tudo o que está proposto", enfatizou o presidente do PSB. Ele destacou que a postura não significa ruptura com o governo.

Hoje, o líder do governo na Câmara, André Moura (PSC-SE), disse que a posição da bancada causa "ruído" na base aliada. "É necessário rever esse posicionamento do PSB", afirmou Moura. "Atitude como a do André Moura não colabora", reagiu o deputado Júlio Delgado (PSB-MG). Delgado disse que a bancada optou por não votar mais nada em 2016 que seja polêmico e que signifique "atropelo" ao debate. "Não vamos agir com essa pressão", emendou Delgado.

Um dos deputados que pretende votar contra a reforma da Previdência é Gonzaga Patriota (PSB-PE). O parlamentar já votou contra a PEC do teto e disse que, apesar de defender a manutenção do partido na base governista, o PSB sempre terá uma posição independente. "Não tenho rabo preso com nenhum presidente, não ando atrás de cargos", justificou. O deputado disse que não tem como apoiar a reforma da Previdência do jeito que ela foi proposta pelo governo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.