Presidente do PP confirma que Cutait foi vetado na Saúde por querer 'controle total' das indicações

Ciro Nogueira diz que já comunicou ao cirurgião que que não o indicará para Ministério

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

04 de maio de 2016 | 16h07

BRASÍLIA - O presidente nacional do PP, senador Ciro Nogueira (PI), confirmou nesta quarta-feira, 4, que desistiu de indicar o cirurgião paulista Raul Cutait para o cargo de ministro da Saúde em um eventual governo Michel Temer. O médico havia exigido que todas as nomeações para os cargos do ministério passassem por ele. O dirigente garantiu que, mesmo sem o nome de Cutait, a indicação para o comando da Pasta continuará sendo do partido.

"O Raul foi convidado por mim, é um grande amigo, vai continuar meu amigo. Só que fez a exigência de ter total controle do ministério nas indicações, não ter nenhuma indicação do partido", afirmou o presidente do PP nesta quarta-feira ao Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado. "E hoje não tem como você construir nenhuma indicação partidária sem o partido participar das indicações", emendou.

Como o Estado adiantou na noite dessa terça-feira, 3, Ciro desistiu de indicar Cutait, após pressão da bancada do PP na Câmara. Deputados temiam não conseguir indicar seus aliados para os segundo, terceiro e quarto escalões do Ministério da Saúde, se Cutait se tornasse ministo.

Ciro Nogueira disse que já comunicou sua decisão ao cirurgião paulista. "Já agredeci e tudo, mas não vai ser ele o ministro", disse. O presidente do PP descartou que Temer venha a indicar Cutait como sua cota pessoal, mesmo sem o aval do PP. "Isso é impossível de acontecer. Eu te garanto que a indicação vai ser do Partido Progressita, e não vai ser o Cutait", afirmou.

A bancada do PP na Câmara tenta emplacar um deputado no cargo. O nome mais falado entre os parlamentares é o do deputado Ricardo Barros (PP-PR), que é advogado e foi relator do Orçamento da União de 2016. A bancada chegou a ameaçar não dar votos para Temer na Casa, caso não pudesse indicar aliados para outros cargos no ministério da Saúde.

Ciro comunicou sua decisão a Temer em reunião na noite de terça-feira, na Vice-Presidência. Em rápida entrevista na saída, o presidente do PP informou apenas que ainda não definiu quem o partido indicará para a Saúde e confirmou que a sigla deverá indicar representantes também para o comando da Agricultura e Caixa Econômica Federal. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.