JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Presidente do Peru determina que Odebrecht venda projetos e deixe o país

Pedro Paulo Kuczynski disse que empresa está 'contaminada' pela corrupção; na semana passada, o governo da Colômbia também sinalizou que pretende expulsar empreiteira do país

O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2017 | 17h23

LIMA - O presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, disse nesta terça-feira, 24, que a Odebrecht deve vender seus projetos e deixar o país após reconhecer o pagamento de propina que somam US$ 29 milhões em troca de licitações de obras públicas entre 2005 e 2014. "Infelizmente, eles estão contaminados pela corrupção", disse. Na semana passada, o governo da Colômbia sinalizou que pretende expulsar a Odebrecht do país.

"A Odebrecht terá que vender seus projetos no Peru, alguns deles são muito bons em fornecimento de eletricidade, rodovias... Lamentavelmente há esse problema da corrupção, a Odebrecht tem que ir embora, acabou", disse o mandatário à emissora RPP.

A construtora terá que chegar a um acordo com o Ministério Público do Peru, que está investigando os casos de subornos das empresas brasileiras que operam no país, informou Kuczynski.

O presidente considerou "muito baixo" os 30 milhões de soles (aproximadamente 10 milhões de dólares) que a empresa adiantou pela devolução dos ganhos ilícitos obtidos, em comparação aos 2,5 bilhões de dólares que terá que pagar como multa nos Estados Unidos, onde houve poucas obras.

"O grande país onde havia toda a construção, além do Brasil, era o Peru, e nossa multinha é de 30 milhões de soles, uns 10 milhões de dólares? Que vergonha", acrescentou Kuczynski. O mandatário afirmou que o Ministério Público do país verificará se a Odebrecht pagará o que deve e atuará sobre os ativos da empresa no Peru.

O governo peruano resolveu interromper a concessão de um gasoduto avaliado em US$ 7 bilhões, que havia entregue a um consórcio liderado pela Odebrecht, informou na segunda-feira, 23, o ministro de Minas e Energia, Gonzalo Tamayo. Na terça-feira, o presidente Kuczynski disse, por meio de sua conta no Twitter, ter ordenado a execução de uma punição de US$ 262 milhões ao consórcio por descumprimento do contrato sobre o Gasoduto do Sul. 

Investigações. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e o chefe do Ministério Público no Peru, Pablo Sanchez Velarde, fecharam acordo na sexta-feira, 13, para intensificar a cooperação internacional e garantir o aprofundamento de investigações relacionadas à Odebrecht. No início do ano, a empreiteira fez um acordo preliminar de cooperação com o Peru, no qual se comprometeu a pagar uma multa de US$ 9 milhões pelos ganhos ilícitos que obteve no país./AFP E DOW JONES NEWSWIRES.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.