Presidente do PCdoB defende mudanças na política econômica

O presidente do PCdoB, Renato Rabelo, defendeu hoje o redirecionamento da política econômica do governo, no discurso de abertura do I Encontro Nacional sobre Questões do PCdoB. Ele afirmou que a manutenção e continuidade da política atual é um entrave para a definição de um novo projeto de desenvolvimento rápido e sustentável. Rabelo afirmou, no entanto, que o Governo Lula é o meio de alcançar o objetivo maior do PCdoB, que é a construção do socialismo. Ele defendeu o apoio do partido ao presidente Lula, no esforço de renegociar com o Fundo Monetário Internacional (FMI), e a participação do PMDB na base, porque segundo Rabelo, sem esse partido o governo ficaria isolado. Em entrevista após o discurso, Rabelo disse que não é o momento de uma CPI para investigar o caso Waldomiro Diniz, porque o governo já tomou as providências necessárias. "CPI hoje é ação política da oposição. Quando estava na oposição, o PCdoB usava a CPI como luta política. Faz parte do jogo", admitiu. Em relação às denúncias de corrupção envolvendo o ex-assessor da Casa Civil, Rabelo afirmou que episódios como esse podem acontecer em qualquer partido, em qualquer lugar do mundo. "Não existe partido puro, nem existe governo puro. Isso seria uma visão irreal", afirmou. Segundo ele, a diferença está no tratamento que cada um dá a esses episódios. Para Rabelo, o Governo Lula agiu corretamente nesse caso, demitindo o assessor e abrindo inquérito para apurar as denúncias. Os ministros da Coordenação Política, Aldo Rebelo, e dos Esportes, Agnelo Queiroz, também participam do encontro do PCdoB.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.