ANDRE DUSEK|ESTADÃO
ANDRE DUSEK|ESTADÃO

Presidente do Conselho de Ética entra com recurso para suspender cancelamento de reunião

Eduardo Cunha rejeitou imediatamente o pedido de José Carlos Araújo alegando que o momento de apresentar o recurso foi quando Bornier estava presidindo a sessão

Daiene Cardoso, Daniel Carvalho e Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

19 Novembro 2015 | 13h09

BRASÍLIA - O presidente do Conselho de Ética da Câmara do Deputados, José Carlos Araújo (PSD-BA), apresentou, nesta quinta-feira, 19,  recurso no plenário da Casa para que seja revista a decisão do deputado Felipe Bornier (PSD-RJ), segundo-secretário da Mesa Diretora, que anulou a sessão desta manhã do colegiado. O pedido teve o apoio em plenário do PSDB e DEM. 

O presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), rejeitou o pedido de imediato, alegando que o momento de apresentar o recurso foi quando Bornier estava presidindo a sessão. Os parlamentares reagiram. "Eduardo Cunha não tem mais condições de presidir essa Casa", bradou o líder do PPS, Rubens Bueno (PR). Minutos depois, os parlamentares que se opõem a Cunha deixaram o plenário aos gritos de "vergonha".

Nesta manhã, o Conselho de Ética se reuniu para apreciar o parecer do relator Fausto Pinato (PRB-SP) que pede a admissibilidade do processo por quebra de decoro parlamentar contra Cunha. Marcada para as 9h30, a reunião só começou 50 minutos depois.

Cunha iniciou a ordem do dia minutos após a sessão do Conselho atingir o quórum mínimo de 11 membros presentes. Os aliados do peemedebista pediram a anulação da sessão e, como Cunha não podia deliberar sobre um tema que diz respeito a ele, passou a presidência para que Bornier deliberasse. O peemedebista se sentou ao lado de Bornier e acompanhou a deliberação do parlamentar.

O líder do DEM, Mendonça Filho (PE), chamou a decisão de Bornier de "aberração" e disse que a situação era constrangedora para a Casa. "Reavalie sua posição. Essa decisão coloca a Casa em má posição", apelou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.