ANDRE DUSEK|ESTADÃO
ANDRE DUSEK|ESTADÃO

Presidente do Conselho de Ética diz que não aceitaria medidas para adiar sessão

Na manhã desta quinta-feira, 19, a tropa de choque de Cunha atuou tanto no conselho quanto em plenário para impedir até mesmo a leitura do parecer do relator, Fausto Pinato (PRB-SP)

Daniel Carvalho e Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

19 Novembro 2015 | 12h08

Brasília - O presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo (PSD-BA), disse que não aceitaria que deputados apresentassem questões de ordem para protelar a sessão de votação do parecer pelo seguimento do processo de cassação do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), por supostamente ter mentido à CPI da Petrobrás.

Na manhã desta quinta-feira, 19, a tropa de choque de Cunha atuou tanto no conselho quanto em plenário para impedir até mesmo a leitura do parecer do relator, Fausto Pinato (PRB-SP).

"O que não pode é ter questão de ordem unicamente para protelar a sessão. Eu não aceito esse tipo de coisa", afirmou Araújo. "Alguns deputados, talvez, para prestar serviço, estejam se excedendo", disse o presidente do conselho.

Alguns dos principais aliados de Cunha, André Moura (PSC-SE), Manoel Júnior (PMDB-PB) e Paulinho da Força (SD-SP) apresentaram questões de ordem para tentar impedir e, em seguida, encerrar a sessão, que acabou suspensa por causa do início da ordem do dia no plenário da Câmara. Cunha iniciou os trabalhos às 10h44, e Araújo suspendeu a reunião do conselho às 11h12 para retomá-la no fim do dia.

Geralmente, às quintas-feiras, Cunha inicia os trabalhos às 11h e os encerra entre 14h e 15h. Nesta quinta, além de antecipar o início da sessão, disse que vai encerrá-la somente às 18h.

A sessão, marcada para 9h30 e, depois, para as 10h, começou somente às 10h23 por falta de quórum. O deputado Júlio Delgado (PSB-MG) chegou a ir ao plenário buscar deputados.

"Temos todo tempo do mundo. Paciência foi uma coisa que Deus me deu. Vou exercer a minha paciência", disse Araújo. "Respeito todas as decisões tomadas pelo presidente Eduardo Cunha. Agora, no Conselho de Ética, tomo as decisões eu. Paciência, ele lá, eu cá", disse o presidente do conselho. "Cada um faz o seu, cada um no seu pedaço. Ele na presidência da Casa, eu na presidência do Conselho de Ética", afirmou.

O advogado de Cunha, Marcelo Nobre, acompanhou a sessão e saiu sem dar entrevistas. Pinato também não falou com os jornalistas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.