DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

‘Presidente do BB tem de tratar de liquidez, não de isolamento vertical’, diz Maia

Mais cedo, Rubem Novaes encaminhou, via WhatsApp, a seguinte mensagem: 'Caiam na real' acompanhada do vídeo postado por Bolsonaro com o apelo de uma apoiadora pela reabertura do comércio no País

Gustavo Porto, Elizabeth Lopes e Aline Bronzati, O Estado de S.Paulo

02 de abril de 2020 | 12h38
Atualizado 02 de abril de 2020 | 19h11

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), aproveitou a videoconferência que realizou na manhã desta quinta-feira com o Santander, para criticar a postura do presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes. “O presidente do Banco do Brasil tem de tratar de liquidez e não sobre isolamento vertical”, disse Maia na live.

Hoje mais cedo, o presidente do BB encaminhou, via WhatsApp, a seguinte mensagem: “Caiam na real” acompanhada do vídeo postado pelo presidente Jair Bolsonaro com o apelo de uma apoiadora pela reabertura do comércio no País, em meio à pandemia da covid-19. Novaes disse que governadores e prefeitos deveriam cair na real, pois “impedem a atividade econômica e oferecem esmolas, com o dinheiro alheio, em troca", e destacou que “esmolas atenuam o problema, mas não o resolvem. E pessoas querem viver de seu esforço próprio.”

Após Maia dizer criticar a postura do presidente do BB, Novaes rebateu a declaração do presidente da Câmara. “Quanto ao Presidente da Câmara, entendo que não deve ter entre suas preocupações principais a desestabilização de um governo eleito com expressiva maioria de votos”, respondeu ele, ao Estadão/Broadcast, citando as ações que o BB tem feito para garantir liquidez no sistema, com a rolagem de R$ 60 bilhões em dívidas. “O desejo de viabilização de uma candidatura do Centrão não se pode sobrepor à estabilidade institucional”, acrescentou.

Maia afirmou ainda, conforme noticiou o Valor Pro, que o presidente do BB era um “incompetente” e que o “único caminho” para se manter no comando do banco era “agradar o chefe”, ou seja, o presidente Bolsonaro.

Novaes, então, rebateu novamente Maia e afirmou que não é apegado ao cargo e manteve o tom do “bate boca” ao mencionar o time de futebol de cada um. “O RM (Rodrigo Maia) deu uma declaração dizendo que digo o que digo para agradar ao (presidente Jair) Bolsonaro e me manter no cargo. Resposta: O Rodrigo não me conhece. Meu apego ao cargo é zero. Nossa diferença é que eu sou Fluminense e ele é Botafogo”, afirmou Novaes. Botafogo é o time do presidente da Câmara e foi também o apelido atribuído a ele nas planilhas da Odebrecht, na Operação Lava Jato.  O debate à distância dos dois começou pela manhã após Novaes enviar um vídeo postado por Bolsonaro. 

Antes de cobrar que o Banco do Brasil atue na questão de liquidez e não na defesa da linha defendida pelo presidente Jair Bolsonaro, de flexibilização da quarentena, Maia falou sobre o Banco Central e sobre a Caixa. A respeito do BC, disse que é importante a autoridade monetária atuar na maior transparência neste momento de crise aguda provocada pelo coronavírus. Neste momento espero que ele atue ajudando empresas, microcrédito e com a responsabilidade que seu corpo técnico sempre teve. 

“Roberto Campos (presidente do BC) é experiente, tem bom diálogo, mas não pode entrar no mercado para quem especulou, obvio que ele não vai entrar nisso, mas BC precisa garantir liquidez que o sistema financeiro não tem conseguido para quem precisa do apoio para funcionar e prestar seus serviços.”

Ao falar da Caixa, disse que a instituição está na linha correta, mas falta ainda mais ações. “Ela tem tido alguma agilidade e trabalhado para garantir crédito para as Santas Casas.” 

Na videoconferência, o presidente da Câmara dos Deputados disse que  liberar coisas a conta-gotas (falando do governo federal) causa muita confusão, cobrando novamente uma ação coordenada de todos os entes federativos. “Nossa preocupação (Parlamento) deve ser blindar nossa pauta para focar no que tem relação com a crise, no que é provisório e no que é preciso para ter os melhores resultados, isso é o que temos de ter em mente.”

Maia citou e elogiou o poder moderador do presidente do STF, Dias Toffoli, e num recado o mandatário do País disse que este momento de crise aguda não é de tensionamento nas relações, mas de moderação e trabalho conjunto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.